Pages

segunda-feira, 24 de março de 2014

A Globo esconde e a gente mostra: O vídeo do Papa Francisco "excomungando" o jornalismo mentiroso.

Versão compacta:


Vocês já viram abaixo a nota "Papa aconselha: fujam da desinformação, o mais perigoso pecado da mídia. E agora, Globo?"

Agora tem o vídeo que Jornal Nacional não passou (o Papa Francisco fez esse pronunciamento no sábado). Está falado em italiano, mas dá para entender um pouco quando ele fala:
Mas existem também os pecados da mídia! Permito-me falar um pouco sobre isto. Para mim, os pecados da mídia, os maiores, são aqueles que seguem pelo caminho da mentira e são três: a desinformação, a calúnia e a difamação. Estes dois últimos são graves, mas não tão perigosos como o primeiro. Por que? Vos explico. A calúnia é pecado mortal, mas se pode esclarecer e chegar a conhecer que aquela é uma calúnia. A difamação é um pecado mortal, mas se pode chegar a dizer: ‘esta é uma injustiça, porque esta pessoa fez aquela coisa naquele tempo, depois se arrependeu, mudou de vida’. Mas a desinformação é dizer a metade das coisas, aquilo que para mim é mais conveniente e não dizer a outra metade. E assim, aquilo que vejo na TV ou aquilo que escuto na rádio não posso fazer um juízo perfeito, pois não tenho os elementos e não nos dão estes elementos. Destes três pecados, por favor, fujam! Desinformação, calúnia e difamação.
Íntegra do discurso do Papa Francisco:

3 Comentários:

Paulo Luiz disse...

Recado para a igreja católica

Tudo na natureza, também no relacionamento humano deve haver um equilíbrio.
Na política, para impedir que um país poderoso venha subjugar os países mais fracos, deve existir pelo menos duas potencias se contrapondo.
Todos se lembram, no passado havia Estados unidos de um lado e união soviética do lado oposto, isso mantinha certo equilíbrio de forças. Hoje temos não muito abertamente declarado, mas de um lado Estados Unidos e no lado oposto China.
Na religião acontece um problema semelhante, se deixar uma força religiosa crescer indiscriminadamente sem ter uma força contrária, ela se expandirá tanto que acabará tomando conta até do poder político transformando nosso Brasil em uma teocracia.
A religião evangélica está crescendo em nosso país com muita rapidez, e o pior de tudo é quando um católico muda de lado, ele aumenta um membro na igreja evangélica e ao mesmo tempo está diminuindo um membro na igreja Católica, a meu ver isso é muito grave. Mostrar erros e muito fácil, mas eu mostro também uma solução, um caminho que poderá conter o avanço evangélico em nosso país.
Qual a diferença que há na maneira de convencer as pessoas para seguirem uma ou outra religião. A primeira diferença está no poder de fogo das igrejas evangélicas. Qual será este poder de fogo. Primeiro: arrecadação de dinheiro, todos sabem, dinheiro traz poder, essa arrecadação espantosa da mais força as atividades da mídia religiosa. Veja, mesmo com os preços exorbitante nas televisões, a mídia religiosa está tranquilamente invadindo todos os meios de comunicações. A segundo diferença é a escolha de pastores com grande poder de convencimento, muita eloqüência no falar e também o uso de técnicas muito bem elaboradas para atrair mais adeptos e conseqüentemente aumentar a arrecadação financeira. Em algumas delas pelo que ouvi boatos há até franquia na montagem de novas igrejas.
Porque a igreja Católica não tem muitos padres com grande poder de convencimento e muita eloqüência no falar? A resposta é muito simples. Porque a oferta de jovens buscando o sacerdócio é muito pequena. Porque é muito pequena? Outra resposta muito simples. A pequena procura é devido ao celibato, na igreja evangélica qualquer um pode ser pastor, isso aumenta a oferta e quando aumenta a quantidade de pessoas interessadas em ser pastor, têm-se com isso mais opções de escolha. O celibato é um erro, porque contraria a natureza humana, pois o sexo é uma coisa instintiva e muito forte, sendo assim poucos jovens tem a capacidade de reprimir esta força da natureza, por isso a pouca procura para seguir o caminho da evangelização.
Desculpe-me os religiosos católicos, padres, bispos ou até o Papa, mas a religião católica está sendo retrógrada em manter o celibato, estamos no século vinte e um é hora de mudanças.
Acredito que o celibato foi implantado na igreja para evitar que o padre tenha esposa e filhos para sustentar e educar, levando isso a menos gastos de dinheiro da igreja. Mas é um erro pensar assim, pois um padre sendo livre para se casar, estará mais de acordo com a lei da natureza, sendo assim ele pode ser um padre bem preparado e eloqüente no falar, com estas qualidades ele arrastará mais fieis para sua paróquia e conseqüentemente a contribuição financeira dos fieis será mais substancial. Continua.

Paulo Luiz disse...

Continuação do recado para a igreja católica.
Outra coisa de beneficio que o fim do celibato trará para a religião católica é a extinção do problema muito grave, que mancha a imagem da igreja que é a pedofilia.
O recado que estou enviando a religião Católica, é com o intuito de evitar que nosso país seja no futuro governado por regime teocrático. Se alguém duvida do avanço evangélico em nosso país, observem o numero de pastores evangélicos no congresso nacional. Isso pode parecer normal, mas é um perigo para quem prefere um governo laico. Sei que a religião católica tem também sua televisão e seus programas de rádios, mas os evangélicos estão extrapolando em suas atuações, pois deixaram seus templos que é ou pelo menos deveria ser o lugar próprio para a divulgação do evangelho, e estão invadindo os meios de comunicações e também os meios políticos se infiltrando no congresso nacional. Não freqüento nenhuma religião, por este motivo sou livre, sendo assim posso pensar sem paixão ou preferência por um ou por outro lado religioso. Minha preocupação é com o caminho político que o Brasil está tomando que fatalmente não terá um fim muito promissor para quem quer viver em paz em um pais cujo governo seja laico. Sei também que a atitude do governo laico deixa a desejar quando ele não fiscaliza estas entidades religiosas dando a elas muita liberdade e muitos privilégios. Com esta falta de fiscalização surgem espertos montando verdadeiros impérios de poder e dinheiro. Para os governantes estes movimentos religiosos são ótimos porque mantêm o povo sempre acomodado, cordato e esperançoso.

Paulo Luiz Mendonça.



Paulo Luiz disse...

Continuação do recado para a igreja católica.
Outra coisa de beneficio que o fim do celibato trará para a religião católica é a extinção do problema muito grave, que mancha a imagem da igreja que é a pedofilia.
O recado que estou enviando a religião Católica, é com o intuito de evitar que nosso país seja no futuro governado por regime teocrático. Se alguém duvida do avanço evangélico em nosso país, observem o numero de pastores evangélicos no congresso nacional. Isso pode parecer normal, mas é um perigo para quem prefere um governo laico. Sei que a religião católica tem também sua televisão e seus programas de rádios, mas os evangélicos estão extrapolando em suas atuações, pois deixaram seus templos que é ou pelo menos deveria ser o lugar próprio para a divulgação do evangelho, e estão invadindo os meios de comunicações e também os meios políticos se infiltrando no congresso nacional. Não freqüento nenhuma religião, por este motivo sou livre, sendo assim posso pensar sem paixão ou preferência por um ou por outro lado religioso. Minha preocupação é com o caminho político que o Brasil está tomando que fatalmente não terá um fim muito promissor para quem quer viver em paz em um pais cujo governo seja laico. Sei também que a atitude do governo laico deixa a desejar quando ele não fiscaliza estas entidades religiosas dando a elas muita liberdade e muitos privilégios. Com esta falta de fiscalização surgem espertos montando verdadeiros impérios de poder e dinheiro. Para os governantes estes movimentos religiosos são ótimos porque mantêm o povo sempre acomodado, cordato e esperançoso.

Paulo Luiz Mendonça.



Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração