Pages

domingo, 9 de outubro de 2016

Futilidade e banalidade: “O Minhocão hoje para que serve? Quase nunca fui lá. É tipo um viaduto, né?”



Sensacionalista resumiu a entrevista da madame Doria para a Folha:....A artista plástica Bia Doria, mulher de João Doria, prefeito eleito em São Paulo no primeiro turno, deu uma entrevista ao jornal Folha de São Paulo e agora está na mira da Organização Mundial de Saúde (OMS). Suas palavras, lidas por boa parte dos brasileiros na parte da manhã, causaram uma epidemia de vômito sem precedentes.

Bia, que acha que Eduardo Cunha tem atitude e que os artistas têm que ficar quietinhos e deixar o Temer trabalhar, se considera uma Evita Brasileira. Não chore por ela, São Paulo.

A indústria de panos de chão teve um crescimento imediato de 230%. A farmacêutica, 150%.Para quem já tomou Plasil ou Digesan, seguem alguns trechos do perfil da nova primeira-dama paulistana:
'Me sinto do povo', diz Bia Doria, a nova primeira-dama de SP

 "Seu Eli, é a dona Bia. Dá para entrar em casa ou tem gente na frente?". No volante de seu Porsche Cayenne, a futura primeira-dama de São Paulo ligava para casa aflita. Queria saber como avançava o protesto de ativistas que se deitaram no asfalto em frente à residência dos Doria na semana passada contra possíveis mudanças nas ciclovias.

Quarenta minutos antes, Bia, 56, que é artista plástica, deixara seu ateliê na Vila Nova Conceição, a três quilômetros de sua casa no Jardim Europa. Entrou no SUV preto fazendo o gesto de "acelera" do marido para os vizinhos.

Ela, aliás, não sai muito dos bairros onde vive e trabalha. Lugares como o Minhocão ou o Baixo Augusta estão fora de seu radar. "O Minhocão hoje para que serve? Quase nunca fui lá. É tipo um viaduto, né?", pergunta a nova primeira-dama, que elogia os parques "lindos" de Sydney e as ciclovias de Cingapura —as de São Paulo ela acha perigosas demais e não se atreve a usar.

Também não se aventura pelo centro e desconhece a briga pela criação do parque Augusta, lembrando sua "boa relação com a Cyrela", uma das construtoras donas do terreno. "Onde é isso? Não conheço. Imagina quem tem filhos no centro. Vão passear onde? Vou falar para o João que lá tem que ser parque."

Ali perto, Bia só conhece a rua Avanhandava, que chama de "aquela vielinha tortinha onde fica a Famiglia Mancini". Na visão dela, é o único lugar na cidade onde é possível "andar a pé, igual em Nova York".

"Até com o trânsito eu me acostumei", afirma, num sinal fechado. "Coloco o telefone aqui e vou respondendo WhatsApp. Olha como a vida é bela no Instagram", diz, mostrando no iPhone branco a imagem de uma amiga rodeada de sacolas da Hermès, uma taça de champanhe na mão.

DENTES

"No Morumbi tem aquela favela, né? Paraisópolis. Ali é a Etiópia, mas eles respiram o mesmo ar, sentem o mesmo frio que a gente. Essa desigualdade tem que diminuir. Não adianta ter uma funcionária que chega no ateliê e tem problemas de nutrição."

"Imagina como eu ficaria feliz se chegasse uma arrumadeira já sabendo fazer as coisas. Pouquíssimas delas sabem, a não ser as que já passaram por várias casas, mas aí elas vêm cheias de manias."

Em seu ateliê, onde faz esculturas de madeira, mármore e bronze que pesam até 20 toneladas, Bia se orgulha de ter transformado a vida dos assistentes. "Todos moravam em barracos e nem tinham dentes. Consegui casa para todos eles, dei dentes para eles, dei um plano de saúde bom. Hoje eles se sentem felizes, até se acham artistas porque são meus assistentes."

Bia, uma entre os 11 filhos de uma família que tinha uma fábrica de vassouras em Santa Catarina, também se diz próxima da população por causa de seu trabalho. Conta que tem contato direto com agricultores que cedem os troncos usados em suas obras.

"Sempre me senti uma Evita Perón, porque eu sou mais do povo, eu me sinto do povo", diz a artista, casada há mais de duas décadas com o prefeito eleito e mãe de seus três filhos. "Eu me dou muito bem com pessoas mais humildes. Às vezes é só um aperto de mão, às vezes elas querem um abraço. É tão pouco o que elas querem."

ARTE ARTE

Artista plástica, ela lamenta que São Paulo tenha acervos muito "pobres" e se surpreende ao saber a situação das instituições municipais, como o Museu da Cidade, que não tem espaço físico.

Mesmo a Bienal de São Paulo, a mais tradicional do mundo depois da de Veneza, desagradou Bia Doria. "Não gostei de nada lá. A gente está fazendo campanha para não ter pneu em casa por causa dos pernilongos, e os caras vão lá e põem pneu", diz sobre a obra da portuguesa Carla Filipe, que criou uma horta com rodas de trator. "É que eu gosto de arte arte, telas e esculturas. Não gosto daquelas instalações muito modernas, qual é o nome disso mesmo?"

Nesse sentido, a coleção que acumulou ao lado do marido tem Di Cavalcanti, Portinari, as gordinhas de Botero e um generoso conjunto de telas de Romero Britto, que já retratou toda a família Doria e fez pelo menos cinco pinturas da primeira-dama.

"Tenho vários quadros dele", diz Bia. "O que eu aprecio no Romero é essa versatilidade que ele teve de fazer um marketing em cima de seu trabalho. Aquela coisa colorida é uma felicidade para os olhos."

Mas Bia não sente a mesma sintonia com artistas contemporâneos, em especial os que lideraram os gritos de "fora, Temer" na inauguração da Bienal agora em cartaz. "A gente está parado há dois anos e, se tirar o Temer, o país vai ficar parado mais dois anos. Esses artistas têm que ficar quietinhos e deixar o Temer trabalhar. O Brasil tem que andar agora."

Ou, como quer seu marido, acelerar. Na família, Bia diz ser a única que tinha certeza de que Doria seria eleito já no primeiro turno. Apostou R$ 5.000 contra R$ 100 de um dos filhos, que achava que seu pai não se elegeria.

Na pele de primeira-dama, Bia sonha com uma cidade em que os parques e praças tenham mais esculturas, mas não as suas. "Isso não vai acontecer, porque o João é uma pessoa muito correta", diz. "Se for para colocar esculturas, vão ser de outros artistas, porque senão seria... Como chama isso? Nepotismo?"

Sem ter abusado de seus contatos em Brasília, diz ela, Bia se orgulha de que obras suas estavam no Salão Negro da Câmara dos Deputados durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff. Ficou feliz com o fato de as peças servirem muitas vezes de pano de fundo das reportagens na televisão.

Nesse ponto, tanto a saída de Dilma quanto a vitória de seu marido em São Paulo parecem ter sido um desfecho triunfal para a derrocada do PT que ela tanto desejou.

"Fiquei muito triste quando o Lula se elegeu. Até chorei no dia em que ele tomou posse porque tinha certeza que eles iam desfalcar todas as empresas como fizeram", diz Bia. "Quando Eduardo Cunha levantou a hipótese de impeachment, dei graças a Deus. Não defendo o Cunha, mas ele tem atitude."

MODERNOSO CASUAL

Bia também aprovou a troca do terno do marido pelo suéter apoiado sobre os ombros, que chama de estilo "modernoso casual", e diz que ele é "perfeito, chique".

Ela ainda não pensou no vestido que usará na posse, mas afirma que não vai destoar de seu estilo. "Eu me sinto poderosa porque me dou bem na favela e me sinto bem de salto alto num jantar chiquérrimo da sociedade com talher de prata. Se me der uma enxada, eu me saio muito bem. Se me der um salto alto, também me saio muito bem." Na Folha

3 Comentários:

Mary Silva disse...

Deus do céu que tédio essa criatura! Ânsia de votomitos só de lê parte dessa entrevista... Mais é assim o povo vai ter o governo que merece.

Elena Osawa disse...

Quanta futilidade e inutilidade junta, meu Deus!

Antonio Luiz disse...

Gente! Pelo amor de Deus, depois de tudo ter ido pro brejo, vimos com uma carniça dessas? Quem e bia? O que um povo que teve esperanças num governo e numa sigla PT, tem a ver com uma burocrata medíocre? o que tinhamos que estar preocupados era com quem vai ser o LULA do povo que ja perdemos a mais de dois anos atras, e ainda mais, um ex partido que outrora estava com as regras e que agora so ficou a borra decantada em cima do seu criador, o grande companheiro de outrora que foi sucumbido pela voracidade da corrupção de sua boa fé. Não tem como projetar mais com um PT valente, com um LULA destemido e audaz, se fizemos todo esse esforço dentro de uma constituição frágil, fraca, esfarrapada, uma constituinte que foi moldada com a replica e enxertada com os ditames corruptos de 500 anos, essa constituinte não presta, e traiçoeira. O que tentamos construir esta sob uma teia de aranhas eruditas, quando elas viram a progressão dos nossos feitos souberam onde puxar os fios por elas mesmas tecidos, as eleições neste pais, e o fio frágil para qualquer governo de qualquer partido,se este ousar ir contra o caminho (trajeto das velhas aranhas) a eleição aqui que se dizem constitudas, e uma FARSA, ela ja nasce comprada, negociada, e corrompida pelos ladrões do poder, a eleição aqui e comprada por um caro preço por poucos, somos nós os eleitores, a moeda dessa troca prostituta, nos eleitores somos vendidos, para pagamentos posteriores, somos postos na bolsa fraudulenta do negócio futuro que se chamam ELEIÇÃO, isso sim chega a dar nojo! Ser obrigado a corromper (votar) sabendo que um mês mais a frente a gente e tocado como vacas magras, para o atoleiro, onde toda a negociata tem o povo como estoque contabilizado para garantir as trocas feitas as caladas da noite, regadas de caros banquetes a caviá, blindado com odres velhos, enquanto nós como aqueles negros das casas grandes, somos negociados para pagar os altos compromissos dos senhores escravagistas e ainda somos culpados quando eles não faturam o esperado. portanto: Que tomamos vergonha e sejamos ao menos uma vez patriotas, exigindo a preço de sangue, uma constituição decente que nos respeite, pois ate aqui tá parecendo que tudo isso que vem acontecendo e apenas uma brincadeira, ou que somos irracionais. sem instintos nem decisão. isso sim e repugnante, e indigesto, e nos causam insonia!

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração