Pages

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Até Roberto Freire manda recado para os golpistas. “chupa, Aécio”, “chupa, Carlos Sampaio”


A aprovação da primeira MP do ajuste fiscal afastou as condições de se iniciar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff. A avaliação é de um dos principais líderes da oposição: o presidente do PPS, Roberto Freire.

Para o deputado, a votação da última quarta mostrou que o governo ainda consegue formar maioria na Câmara, mesmo à custa de cargos e promessas. Ele afirma que a crise econômica não chegou ao clímax e que a oposição precisa ser "realista" ao medir as forças no Congresso.

"O impeachment não é produto do desejo individual de ninguém. Ele ocorre quando o governo não tem mais condições políticas de continuar", diz Freire, que exerce o sétimo mandato na Câmara e votou contra os cortes no abono salarial e no seguro-desemprego.

"Um presidente só cai quando o país se torna ingovernável. Quem derrubou o Collor não foram os caras-pintadas nem a oposição. Foi a classe dominante, que percebeu que a permanência dele no poder estava atrapalhando o país", afirma.

A situação atual é diferente, diz o oposicionista, porque o mercado financeiro e o empresariado se uniram a favor do ajuste. "Quem tem seus interesses atendidos pelo governo não vai trabalhar para derrubá-lo."

Há apenas duas semanas, os deputados do PSDB se diziam prontos para protocolar um pedido de impeachment. Freire recorre a uma metáfora do boxe para explicar como o vento mudou em Brasília. "O governo estava nas cordas, mas essa votação o colocou de volta no ringue." - Bernardo Mello Franco - Na Folha

3 Comentários:

Cesar Henrique de Oliveira disse...

Esse Freire é realmente um paspalho , quem derrubou Collor foi a mídia golpista , que não recebeu a sua parte (em dólares) depois de ter criado o mostro , os caras pintadas assim como essa turma do MPL , black blocs , e paneleiros em geral foram apenas massa de manobra e boi que foi tangido para o abatedouro (na verdade uns idiotas).
O pior de tudo é que o PC Farias pagou com a vida pela quebra do acordo e ainda teve perito comprado (Badan Palhares) para dizer que ele foi suicidado.
Acorda mané.

edu marcondes disse...

Quando ele fala em "classe dominante" está se refeindo ao empresariado do qual os donos das corporações midiáticas fazem parte, .

Adilson disse...

Só acho que a Dilma deveria fazer o ajuste mexendo no bolso dos ricos. Tenho visto a esquerda criticar esse ajuste e acho que isso vai refletir negativamente nas eleições de 2018 contra o PT porque não vai ser mais fácil convencer a esquerda a apoia o partido num eventual segundo turno entre PT x PSDB ou PMDB.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração