Pages

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

A campanha sórdida contra Graça Foster e contra o Brasil


Transparente, competente, com 34 anos de Petrobras, com talvez o menor patrimônio entre funcionários de seu nível, e certamente com um patrimônio infinitamente inferior ao de qualquer executivo que tem ou teve cargo de presidente ou diretor da estatal.

O Jornal do Brasil não tem a menor dúvida da transparência e da dignidade de Graça Foster. E o JB também sempre defendeu as empresas brasileiras - mesmo padecendo da tal mídia técnica -, pois sabe que as defende pelo interesse nacional.Qualquer reflexão de cidadãos brasileiros, puros ou não, faz com que se perceba que a campanha que se faz contra Graça Foster é sórdida, não por razões ideológicas ou políticas. Sórdida porque representa uma campanha contra o braço do desenvolvimento brasileiro.

O interesse pela destruição da Petrobras se relaciona com o interesse pela destruição de um país, que cresce pelo povo mais sofrido. Chega a ser revoltante essa campanha, que não é de hoje. Os mesmos, com os mesmos DNAs, trabalharam contra a Petrobras desde a sua fundação. É notória a resistência enfrentada naquela época contra o monopólio da estatal na exploração do petróleo. Foi preciso uma forte mobilização nacional, com a campanha "O petróleo é nosso", para que o projeto fosse adiante.

Uma senhora, muito menor em tudo que Graça Foster, fez um chamamento público. Esta senhora, tendo sido sempre inferior em cargos e remuneração, deve ter em compensação um patrimônio muito maior que o de Graça Foster, por entender de economia.

A mesma mídia que lhe dá espaço hoje teria lhe dado no momento em que supostamente tomou conhecimento de irregularidades. Houve retardo de lucidez, ou ela duvida da mídia?

Não se conhece caso de pessoa que se diz patriota, mas que permanece pertencendo a um grupo de supostos ladrões. Para os verdadeiramente patriotas, a rejeição à convivência promíscua com este tipo de comportamento é absoluta. Se não for, perde-se o direito de querer ser honesta. Editorial do Jornal do Brasil

A dignidade de Graça Foster e a reação do mercado

A presidente da Petrobras, Graça Foster, talvez uma das mais dignas e honestas mulheres em cargos de importância no serviço público, deve ter certeza que não há no Brasil qualquer pessoa que suspeite dela, quer por razões de dissidia, omissão ou negligência.

A presidente deve saber que o mercado financeiro não aceita suspeitas, uma vez que a Petrobras é cotada nas bolsas mundiais. Mesmo quando essa suspeita claramente é feita por raiva, sentimentos ideológicos, divergências políticas, e nunca pela incerteza ou dúvida sobre o envolvimento dela. Este certamente não é o caso. Mas o mercado não aceita suspeitas, quaisquer que sejam os motivos.

E o simples anúncio de ter colocado o cargo à disposição da presidenta Dilma Rousseff fez com que o mercado bursátil reagisse, e as ações da Petrobras subiram quase 4%.

O patriotismo de Graça Foster e a certeza da capacidade de gestão na condução do país por parte da presidente Dilma Rousseff só preocupam os especuladores, não os brasileiros que acreditam na lisura e nos propósitos dessas duas mulheres.

1 Comentários:

Ralph de Souza Filho de Souza Filho disse...

Como no Samba de Quadra da Estação primeira de Mangueira, em sua época de Ouro, ainda não havia MARKETING, só poesia, com expoentes, como Cartola, Nelson Cavaquinho, Xangô da Mangueira, Carlos Cachaça e Nelson Sargento, eu Canto: " Por ela eu boto a mão no fogo, pode botar, sem ter medo de queimar, por ela eu boto a mão no fogo!". Boto por ela e por Dilma, não somente as mãos, mas o corpo inteiro...

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração