Pages

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Suicídio coletivo



"Se a Gazeta Esportiva não deu, ninguém sabe o que aconteceu".
(Slogan de um antigo jornal de São Paulo, nos tempos pré-internet, que ainda inspira muitos jornalistas brasileiros).
***
Daqui a cem anos, quando os historiadores do futuro contarem a história da velha mídia brasileira, certamente vão reservar um capítulo especial para o que aconteceu em 2011.

Foi o ano em que um livro desmascarou o que ainda restava de importância e influência da chamada grande imprensa na formação da opinião pública brasileira.O suicídio coletivo foi provocado pelo lançamento de um livro polêmico, A Privataria Tucana, do premiado repórter Amaury Ribeiro Júnior, com denúncias sobre o destino dado a bilhões de reais na época do processo de privatização promovido nos anos FHC.

Como envolve personagens do alto tucanato em nebulosas viagens de dinheiro pelo mundo, o livro foi primeiro ignorado pelos principais veículos do país, com exceção da revista "Carta Capital" e dos telejornais da Rede Record.

Nos dias seguintes, os poucos que se atreveram a tocar no assunto se limitaram a detonar o livro e o seu autor. Sem entrar no mérito da obra, o fato é que, em poucos dias, A Privataria Tucana alcançou o topo dos livros mais vendidos do país e invadiu as redes sociais, tornando-se tema dominante nas rodas de conversa do Brasil que tem acesso à internet. .

No final de semana, o fenomeno editorial apareceu nas listas de jornais e revistas, mas não mereceu qualquer resenha ou reportagem sobre o seu conteúdo.
Em 47 anos de trabalho nas principais redações da imprensa brasileira, com exceção da revista "Veja", nunca tinha visto nada igual, nem mesmo na época da ditadura militar, quando a gente não era proibido de escrever, apenas os censores não deixavam publicar.

Foi como se todos houvessem combinado que o livro simplesmente não existiria. Esqueceram-se que há alguns anos o mundo foi revolucionado por um negócio chamado internet, em que todos nos tornamos emissores e receptores de informações, tornando-se impossível esconder qualquer notícia.

O que mais me espantou foi o silêncio dos principais colunistas e blogueiros do país _ falo dos profissionais considerados sérios _, muitos deles meus amigos e mestres no ofício, que sempre preservaram sua independência, mesmo quando discordavam da posição editorial da empresa onde estão trabalhando. Nenhum deles ousou escrever, nem bem nem mal, sobre A Privataria Tucana, com a honrosa exceção de José Simão.

Alguns ainda tentaram dar alguma desculpa esfarrapada, como falta de tempo para ler e investigar os documentos publicados no livro, mas a grande maioria simplesmente saiu por aí assobiando e mudando de assunto.

O que aconteceu? Faz algum tempo, as entidades representativas da velha mídia criaram o Instituto Millenium, uma instituição voltada à defesa dos seus interesses e negócios, o que é muito justo.

Sob a bandeira da "defesa da liberdade de expressão", segundo eles sempre ameaçada por malfeitores do PT e de setores do governo federal, os barões da mídia promoveram vários saraus para denunciar os perigos que enfrentavam. O principal deles, claro, era "a volta da censura".

Pois a censura voltou a imperar escandalosamente na semana passada, só que, desta vez, não promovida por orgãos do Estado, mas pelas próprias empresas jornalísticas abrigadas no Millenium, que decidiram apagar do mapa, não uma reportagem ou uma foto, mas um livro.

O episódio certamente será um divisor de águas no relacionamento entre a grande imprensa e seus clientes. Por mais que cada vez menos gente acreditasse nessa conversa, seus porta-vozes sempre insistiam em garantir que a mídia grande era independente, apartidária, isenta, preocupada apenas em contar o que está acontecendo e denunciar os malfeitos do governo, em defesa do interesse nacional e da felicidade de todos.

Agora, caiu definitivamente a máscara. Neste final de semana, ouvi de várias pessoas, em diferentes ambientes, que vão cancelar assinaturas de publicações em que não confiam mais.

Como jornalista ainda apaixonado pela profissão, fico triste com tudo isso, mas não posso brigar com os fatos. Foi vergonhoso ver o que aconteceu e não deu para esconder. Graças à internet, todo mundo ficou sabendo.E agora? O que vão dizer aos seus ouvintes, leitores e telespectadores?

Enviado por nosso leitor José Paulo Lopes

10 Comentários:

2012 disse...

DESDE QUE ESSE BLOG FOI FUNDADO OU ENTROU NO AR, ESTE ANO, FOI O PIOR. QUASE QUE NÃO SE APROVEITOU NADA DE SUAS POSTAGENS. FOI UM BAGAÇO......

Mario Siqueira disse...

De quem é esse texto ?

josé lopes disse...

Cara Helena.

Fazendo justiça ao autor, o artigo é de Ricardo Kotscho e o título verdadeiro é "O ano em que um livro desmascarou a imprensa". Um amigo me enviou com título Suicídio Coletivo. De qualquer forma é um maravilhoso artigo.

Um abração e um Ano Novo Repleto de felicidade.

Manoel R.Mello Jr disse...

uma historia de aócio never

RETROSPECTIVA AÉCIO NEVES 2011: histórias de Aécio Neves em Cláudio (MG) pedem investigação urgente
Postado por Marco Antônio Nogueira em 28 dezembro 2011 às 23:10
Exibir blog
RETROSPECTIVA AÉCIO NEVES 2011:
histórias de aécio neves em cláudio-MG
pedem investigação urgente


Até quando as histórias envolvendo o ex-governador
Aécio Neves e seus parentes vão continuar às escuras?

Ao que tudo indica, os escândalos do senador são conhecidos por qualquer morador de Minas Gerais, de Belo Horizonte a São João Del Rey, passando por Cláudio e Divinópolis.

E não são simples “lendas urbanas”, como chamam alguns jornalistas. São denúncias graves que normalmente não contam com a atenção da imprensa, calada por medo (são notórios os casos de jornalistas que perderam seus empregos a mando de Andrea Neves, irmã do ex-governador, pois publicaram matérias “desfavoráveis” a imagem de Aécio Neves) ou porque supõe-se que o presidenciável senador está acima de qualquer suspeita.

Apesar dos crimes de sua parentada em Cláudio-MG, com quem o ex-governador mantém “estreitos relacionamentos” (além de Tancredo Tolentino,preso nesta semana acusado de participar de uma quadrilha de venda de sentenças judiciais, outro primo do senador, Rogério Lanza Tolentino, já foicondenado por lavagem de dinheiro no esquema do mensalão mineiro ) nenhum jornalista se deu ao trabalho de investigar as suspeitas relações de Aécio Neves com a família no interior de Minas.

Se o fizessem, poderiam apurar denúncias como a do leitor Leandro que deixou um instigante comentário aqui no blog:



Engano de vocês pensar que esse “Novo Tolentino” é cara nova na polícia. Ele já foi preso inúmeras veses, roubo de cargas, veículos, tráfico e mais uma pá de coisa. Além do mais, a família Tolentino em Cláudio, não se sabe porque tem uma facilidade imensa em conseguir conseções de rádios. Ganharam uma comercial e venderam, depois ganharam uma comunitária, ARRENDARAM, o que é crime e agora ta lah, fazendo o que quer com ela e ninguém faz nada. Um absurdo… O pior de tudo é esse BURRO, quer dizer, cavalo, mas que é um burro, nem ter dado um tombo direito no homem. Ahhhhhhh, isso sem contar num tal aeroporto na cidade. A historia é a seguinte, o aeroporto tava num terreno do Tio avô do Aécio que foi vendido para o Estado (Tancredo Neves na época) e não foi feito documentação. Anos mais tarde o Aécio (Governador) comprou DE NOVO o terreno por um valor absurdo e construiu de vez o aeroporto. O interessante é que uma cidade de 20.000 habitantes, acho que nem avião de brinquedo deve ter lá, mas o TAL governador e agora Senador tem Helicóptero e avião pra descer e subir a ora que quizer. Ou seja, gastaram não sei quantos milhões numa porcaria que fica trancada o dia todo e só serve pro Aécio. Obra pública com fins particulares. ê Brasil baroniuuuuuu…..


Quem é de Cláudio está bastante insatisfeito com as obras do aeroporto , pois consideram que a cidade deveria investir em outras prioridades. O município não conta com corpo de bombeiros, nem guarda municipal, nem com o serviço de atendimento móvel de urgência. Portanto, não atende às necessidades básicas de saúde e segurança da maioria da população. No entanto, o Governo de Minas satisfaz as comodidades de uma minoria daquela cidade que possui jatos, aviões e helicópteros.

O leitor Marcos também deixou aqui sua sugestão para os jornalistas que querem fazer jornalismo de verdade em Minas Gerais:



amigos , investigem o senai de Cláudio virou cabide emprego dos parentes de Aécio , incluse uma prima de Aécio , irmã de tancredo Aladim foi demitida por durmir no expediente…


Só não vê quem não quer…

VEJA O VÍDEO


http://youtu.be/R4oKrj1R91g

Manoel R.Mello Jr disse...

RETROSPECTIVA AÉCIO NEVES 2011: histórias de Aécio Neves em Cláudio (MG) pedem investigação urgente
Postado por Marco Antônio Nogueira em 28 dezembro 2011 às 23:10
Exibir blog
RETROSPECTIVA AÉCIO NEVES 2011:
histórias de aécio neves em cláudio-MG
pedem investigação urgente


Até quando as histórias envolvendo o ex-governador
Aécio Neves e seus parentes vão continuar às escuras?

Ao que tudo indica, os escândalos do senador são conhecidos por qualquer morador de Minas Gerais, de Belo Horizonte a São João Del Rey, passando por Cláudio e Divinópolis.

E não são simples “lendas urbanas”, como chamam alguns jornalistas. São denúncias graves que normalmente não contam com a atenção da imprensa, calada por medo (são notórios os casos de jornalistas que perderam seus empregos a mando de Andrea Neves, irmã do ex-governador, pois publicaram matérias “desfavoráveis” a imagem de Aécio Neves) ou porque supõe-se que o presidenciável senador está acima de qualquer suspeita.

Apesar dos crimes de sua parentada em Cláudio-MG, com quem o ex-governador mantém “estreitos relacionamentos” (além de Tancredo Tolentino,preso nesta semana acusado de participar de uma quadrilha de venda de sentenças judiciais, outro primo do senador, Rogério Lanza Tolentino, já foicondenado por lavagem de dinheiro no esquema do mensalão mineiro ) nenhum jornalista se deu ao trabalho de investigar as suspeitas relações de Aécio Neves com a família no interior de Minas.

Se o fizessem, poderiam apurar denúncias como a do leitor Leandro que deixou um instigante comentário aqui no blog:



Engano de vocês pensar que esse “Novo Tolentino” é cara nova na polícia. Ele já foi preso inúmeras veses, roubo de cargas, veículos, tráfico e mais uma pá de coisa. Além do mais, a família Tolentino em Cláudio, não se sabe porque tem uma facilidade imensa em conseguir conseções de rádios. Ganharam uma comercial e venderam, depois ganharam uma comunitária, ARRENDARAM, o que é crime e agora ta lah, fazendo o que quer com ela e ninguém faz nada. Um absurdo… O pior de tudo é esse BURRO, quer dizer, cavalo, mas que é um burro, nem ter dado um tombo direito no homem. Ahhhhhhh, isso sem contar num tal aeroporto na cidade. A historia é a seguinte, o aeroporto tava num terreno do Tio avô do Aécio que foi vendido para o Estado (Tancredo Neves na época) e não foi feito documentação. Anos mais tarde o Aécio (Governador) comprou DE NOVO o terreno por um valor absurdo e construiu de vez o aeroporto. O interessante é que uma cidade de 20.000 habitantes, acho que nem avião de brinquedo deve ter lá, mas o TAL governador e agora Senador tem Helicóptero e avião pra descer e subir a ora que quizer. Ou seja, gastaram não sei quantos milhões numa porcaria que fica trancada o dia todo e só serve pro Aécio. Obra pública com fins particulares. ê Brasil baroniuuuuuu…..


Quem é de Cláudio está bastante insatisfeito com as obras do aeroporto , pois consideram que a cidade deveria investir em outras prioridades. O município não conta com corpo de bombeiros, nem guarda municipal, nem com o serviço de atendimento móvel de urgência. Portanto, não atende às necessidades básicas de saúde e segurança da maioria da população. No entanto, o Governo de Minas satisfaz as comodidades de uma minoria daquela cidade que possui jatos, aviões e helicópteros.

O leitor Marcos também deixou aqui sua sugestão para os jornalistas que querem fazer jornalismo de verdade em Minas Gerais:



amigos , investigem o senai de Cláudio virou cabide emprego dos parentes de Aécio , incluse uma prima de Aécio , irmã de tancredo Aladim foi demitida por durmir no expediente…


Só não vê quem não quer…

VEJA O VÍDEO


http://youtu.be/R4oKrj1R91g

Leila Farkas disse...

Gostei do texto. Fala com honestidade a respeito do papel partidário e comprometido das velhas mídias neste pais!

Gil Teixeira disse...

Faltou o crédito do autor: Ricardo Kotsho, esse texto está em seu blog:
http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/

nilton disse...

É importantíssimo ressaltar que este texto é do Ricardo Kotsho e pode ser lido no link abaixo: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2011/12/19/o-ano-em-que-um-livro-desmascarou-a-imprensa/

nilton disse...

É importantíssimo ressaltar que este texto é do Ricardo Kotsho e pode ser lido no link abaixo: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2011/12/19/o-ano-em-que-um-livro-desmascarou-a-imprensa/

nilton disse...

É importantíssimo ressaltar que este texto é do Ricardo Kotsho e pode ser lido no link abaixo: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2011/12/19/o-ano-em-que-um-livro-desmascarou-a-imprensa/

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração