Pages

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Lula diz que dona Marisa morreu triste pela canalhice e pela maldade que fizeram contra ela



O presidente Lula afirmou que Marisa Letícia, morreu triste e foi vítima de atos de canalhice e imbecilidade. Em discurso feito no final do velório da ex-primeira-dama, ele afirmou estar com a consciência tranquila e que não precisa provar que é inocente.

Marisa morreu triste pela canalhice que fizeram com ela e a imbecilidade e a maldade que fizeram com ela...Tenho 71 anos e vou viver muito, espero, e quero provar que os facínoras que levantaram leviandades contra a Marisa tenha a humildade de pedir desculpas a ela — disse, durante velório realizado no salão nobre do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo
Lula reafirmou que não tem medo de ser preso e quem o acusa é que precisa juntar provas contra ele.

 Se alguém tem medo de ser preso, quero dizer que esse que está enterrando a sua mulher não tem. Tenho consciência tranquila. Tenho certeza da consciência e do trabalho da minha mulher. Não sou eu que tenho que provar que sou inocente. Eles que precisam provar que as mentiras que eles estão contando são verdade. Querida companheira Marisa, descanse em paz, porque o seu "Lulinha Paz e Amor" vai continuar brigando muito — afirmou, ao se despedir da mulher.

Ao fundo do salão do sindicato foi colocada uma foto de Lula e Marisa juntos. Ao lado do caixão da mulher, Lula afirmou que sempre irá agradecê-la e lembrou que foi ele quem escolheu o vestido com que ela estava sendo enterrada.

Eu vou continuar agradecendo a Marisa até o dia que eu não puder mais. Até o dia que eu morrer e espero encontrar com ela com esse mesmo vestido que eu escolhi para colocar nela, vermelho, para mostrar que a gente não tinha medo de vermelho quando era vivo e não vai ter morto. Ela está com uma estrelinha do PT no seu vestido e eu tenho orgulho desta mulher — disse o ex-presidente.

Emocionado, lembrou que dona Marisa ajudou a angariar fundos para partido na época de sua fundação vendendo camisetas e outros itens nas ruas de São Bernardo, berço político do partido.

Ela ficava na praça Matriz com outras companheiras vendendo bandeiras para ajudar a construir o partido que a direita quer destruir — disse.

Ao fim do discurso, Lula recebeu aplausos e ouviu palavras como "Marisa guerreira da pátria brasileira" e "Lula guerreiro do povo brasileiro". O ex-presidente chorou muito e foi interrompido por um bispo que participou do culto ecumênico, que pediu que ele descanse a partir de amanhã.

O Brasil precisa muito de você.

No início da cerimônia ecumênica, que reuniu representantes da Igreja Católica, protestante e umbandistas, foi exibido um vídeo que mostrava declarações de Lula e Marisa sobre o início do relacionamento dos dois. Eles eram casados há 43 anos. Uma outra cerimônia reservada à família será realizada no Cemitério Jardim das Colinas, também em São Bernardo, onde será realizada a cremação.

Bispo critica reformas trabalhista e da Previdência
A fala de Dom Angélico Bernardino  enalteceu a militância da ex-primeira-dama e defendeu a necessidade de a militância atual não esmorecer diante de reformas que sejam prejudiciais ao trabalhador.

"A Marisa Letícia foi uma guerreira na luta a favor da classe trabalhadora. Atentem para as reformas trabalhistas que sejam contra os trabalhadores; a reforma da Previdência, contra pobres e assalariados. É preciso que estejamos atentos", disse o religioso.

O bispo lembrou, ainda, que Marisa Letícia começou a trabalhar aos 13 anos em uma fábrica e destacou que a crise atual pela qual o país passa "é falsamente atribuída à administração dos dois últimos governos".

1 Comentários:

José Guerrero disse...

Querido Lula que Deus lhe dei a máxima força para continuar na guerra por justiça neste pais. A Dona Marisa que a luz de Deus a ilumine no seu retorno aos seus braços. Muita força! Se perdeu uma batalha, não a guerra! A luta continua agora e sempre, eternamente!

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração