Pages

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Eduardo Cunha, Russomano e PSDB ressuscitam o monstro da corrupção. Veja quem votou a favor.

Na terça-feira a Câmara dos Deputados havia enterrado um monstro da corrupção, votando contra o financiamento eleitoral por empresas.

Não durou 24 horas para Eduardo Cunha e o PSDB desenterrarem e ressuscitarem o monstro.

Na quarta-feira deram um golpe para colocar o mesmo tema em votação de novo, através de uma emenda do deputado Celso Russomano (PRB-SP), com a desculpa de haveria uma diferença pois a doação das empresas seriam só para os partidos e não diretamente para os candidatos.

Até parece que o fato da doação de empresa ser registrada para o partido, que depois repassa o dinheiro para os candidatos, muda alguma coisa, a não ser diminuir a transparência escondendo o vínculo entre o candidato e a empresa.

Como o dinheiro tem um incrível poder de convencimento, cerca 60 deputados mudaram o voto de um dia para outro para que os partidos continuem recebendo dinheiro de bancos, empreiteiras, planos de saúde, etc.

Agora o PSDB pode continuar "vendendo cotas de patrocínio" para a Chevron e para o Itaú a cada eleição. O PMDB pode vender para planos de saúde, para empresas ligadas à telefonia, ao agronegócio, e por aí vai.

É claro que em retribuição os deputados do PSDB votarão sempre contra a Petrobrás no pré-sal e contra o regime de partilha. Sempre votarão contra o Banco do Brasil e contra a CEF, a favor do Itaú. E nós cidadãos é que perdemos a riqueza que deveria gerar saúde, educação, empregos, melhor aposentadoria. Isto para as empresas que financiaram vossas excelências terem mais lucros.

O PMDB continuará apresentando emendas como as que anistiam multas a Planos de Saúde que não cumprem contratos, medida vetada pela presidenta Dilma. Continuará votando contra o fim da assinatura obrigatória no telefone fixo e continuarão fazendo outras gentilezas para empresas que os financiam.

E estes partidos continuarão votando contra o SUS como fizeram quando retiraram R$ 40 bilhões por ano da CPMF. Afinal se o SUS melhora, as vendas de planos de saúde caem, não é? Não é bom para os negócios e se os negócios forem mal os planos cortam o financiamento eleitoral.

Russomano (PRB) também mostrou uma enorme hipocrisia. Na TV se apresenta como defensor do consumidor. Nos bastidores dos acordos políticos, continuará recebendo dinheiro das empresas que maltratam o cidadão consumidor no atacado. E o rabo preso com quem o financia não permitirá votar leis que obriguem as empresas a melhorar a qualidade e praticar preços melhores.

Isso sem falar na raiz da corrupção. Tem empresas que financiam em troca de apoio político para montar esquemas em órgãos públicos.

Nome aos bois

Veja e espalhe quem é quem:

Só 5 partidos não se colocaram a venda para empresas, e quiseram cortar a raiz da corrupção:

PT
PCdoB
PDT (exceto dois deputados)
PSOL
PPS

Partidos que preferem ganhar dinheiro de empresas e mantiveram a raiz, tronco e folhas da corrupção bem adubada:

PMDB
PSDB
PP
PSD
DEM
PTB
PR
PRB
Solidariedade
PSC
PHS
PEN
PTN
PMN
PRP
PSDC
PRTB
PTC
PSL
PTdoB

O PSB ficou em cima do muro e liberou a bancada para votar como quisesse. De 30 votos, 16 votaram a favor do financiamento empresarial.



Vejam como votou cada deputado aqui.

2 Comentários:

José Gilbert Arruda Martins disse...

Essa é a "democracia" do psdb e do cerra, afinal, de que vive o cerra?

gladston de castro soares disse...

sou contra o financiamento público, pelo simples fato de achar que o dinheiro público, deve e tem que servir ao povo de uma forma geral, principalmente às camadas menos favorecidas. que angariem fundos com empresas privadas, mas que as doações sejam tornadas públicas por doadores e e recebedores, para que os eleitores possam saber de onde está vindo o dinheiro daqueles em quem estão votando.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração