Pages

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Deputado do DEM é preso por dirigir bêbado



O deputado estadual paulista Milton Leite Filho (DEM), 39, foi detido e encaminhado no final da noite dessa segunda-feira (19) ao 27º Distrito Policial por constatação de embriaguez ao volante. O parlamentar é filho do presidente da Câmara de Vereadores de São Paulo, Milton Leite (DEM).

Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, por volta de 23h, o deputado foi parado em uma blitz policial da Operação Direção Segura, na avenida Roberto Marinho, próximo ao cruzamento com a avenida Luiz Carlos Berrini, na região do Brooklin, zona sul de São Paulo.

Submetido ao teste do bafômetro, foi constatada a dosagem de 0,46mg/l, acima do limite de 0,05 mg/l tolerado pela Lei Seca. Ainda de acordo com a SSP, o parlamentar foi submetido a exame de sangue no IML (Instituto Médico Legal), mas o resultado ainda não foi divulgado.

O carro foi liberado e entregue à noiva do deputado, que o acompanhava. No DP, Leite Filho foi ouvido e liberado.

Na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), onde cumpre atualmente o terceiro mandato, Leite Filho preside a Comissão de Fiscalização e Controle da Casa.

Em 2005, outro filho do presidente da Câmara, o então estudante Felipe Leite da Silva, à época com 20 anos, foi preso sob a acusação de porte ilegal de arma. A PM informou, na ocasião, que ele havia sido flagrado com uma pistola com numeração raspada em uma blitz no Jardim Campo de Fora (zona sul de SP).O pai, que já era vereador, classificou como "um equívoco" o ato do filho.

2 Comentários:

redomona disse...

MAIS UM, COM PERDÃO DA MÁ PALAVRA, FILHO DA PUTA GOLPISTA, FAZENDO, COMO SEMPRE O ERRADO!

wagner ortiz disse...

Equivocada é a postura do pai: Ou é relapso ou criou os filhos com a lei de Gerson e do "tudo posso naquele que me fortalece", neste caso o pai Milton Leite. Esse Milton é o comentarista de esportes da Band?

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração