Pages

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Lula: não estão dando destaque ao apartamento do Geddel como deram ao meu tríplex




Durante discurso em um congresso de professores em Serra Negra (SP), o ex-presidente  Lula
comparou a atenção dada às denúncias contra ele no caso  tríplex no Guarujá com o apartamento comprado pelo ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, em Salvador (BA), objeto da mais recente polêmica envolvendo um ministro de Michel Temer (PMDB).

"Vocês percebem que não dão destaque ao apartamento do Geddel como deram ao meu tríplex", disse Lula, a uma plateia de participantes do Congresso do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp).

A mídia e a força-tarefa da Lava Jato estão em uma campanha para demonizar sua imagem e fazer com que ele "pare de brigar". Lula se referiu aos procuradores do Ministério Público Federal :"Quando essa molecada não tinha nascido, eu já estava fazendo greve em 78."

O ex-presidente disse também que  os procuradores inventam mentiras contra ele submetidos aos meios de comunicação. "Todo dia produzem uma mentira, vai para a PF, da PF vai para o MP, o MP através desse grupo constrói outra mentira, vai para o juiz Moro. O Moro, ao invés de tentar aceitar ou não pelos autos, orienta como eles têm que fazer", afirmou Lula.

Lula disse que as ações da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça "se misturam na mesma coisa, a caça ao Lula". Ele disse que entrou com processo contra Moro pela "invasão que fez na minha casa". Também afirmou que processou o delegado "que disse que eu peguei dinheiro de Angola" e está processando "o cidadão do Ministério Público que disse que Lula criou o PT, que é organização criminosa e eu chefe, e que disse: não tenho prova, mas tenho convicção". "Ele que guarde a convicção dele para ele, eu quero prova", falou.

Durante o discurso, o presidente falou que as palestras que fez na África, sob as quais ele é investigado, "quem sabe tenham sido mais honestas que diárias que eles estão recebendo para contar mentiras no Paraná", principal palco da Lava Jato.

Lula disse  ainda que vai entrar com um processo contra os meios de comunicação, mas que "isso demora". "Não vou aceitar que meia dúzia de delegados ou procuradores venham jogar suspeita contra mim, se acham que tenho medo (...) eu não aprendi a ter medo, aprendi a ter respeito", afirmou.

Lula ainda conclamou os militantes a discutirem um projeto para o Brasil e reformular as políticas de educação que, segundo ele, foram desfeitas pelo governo de Michel Temer. "Temos que pedir aquilo que nós seríamos capazes de fazer quando a gente retomar esse governo para o povo trabalhador governar esse País, nós temos competência para isso e acho que a gente pode retomar", discursou.

O ex-presidente ainda falou que os ataques direcionados ao PT não estão sendo feitos "pelas coisas ruins que algum petista fez, é pelas coisas boas que nós provamos que é possível fazer nesse País."

1 Comentários:

Clarine Berry disse...

UM DOS MAIORES ROUBOS DA HISTÓRIA DO BRASIL. QUADRILHA DO PSDB ROUBOU E LAVOU US$ 124 BILHÕES DE DÓLARES DO BANESTADO.FOI COBERT POR MORO PROVE PERGUNTAR SOBRE ISSO? Um crime que parou no meio do caminho. O roubo aos cofres do BANESTADO, liderado pelo PSDB, entrou para a história brasileira como um dos maiores golpes cometidos contra o país. Foi o maior escândalo na Era FHC, entre 1996 e 2003, também passou pelas mãos do juiz Sérgio Moro, mas sem a pirotecnia do Petrolão. O Escândalo do Banestado serviu de modelo para as grandes operações midiáticas Mensalão e Petrolão da Era Lula-Dilma e é o melhor exemplo do pior das três instituições, cinco se incluídos Legislativo e Imprensa. Nele, apurou-se que 124 bilhões de dólares foram levados e lavados no exterior. Nele, estavam envolvidos grandes empresas (Globo) e políticos expressivos. Mas estranhamente a CPI do caso deu em nada, abafada pelos pupilos da CIA e FHC que desesperado, colocou milhões de dólares sobre a mesa para comprar o fim da CPI. E o Judiciário, no primeiro grande caso nas mãos de MORO jogou pesado com laranjas, prendendo apenas chinelões. O procurador Celso Três e o delegado José Castilho levantaram a tampa do esgoto e se deram mal nas maos de MORO suas carreiras acabaram quando denunciaram tucanos e seus aliados. Castilho e Três viraram críticos das instituições em que trabalham. A experiência pioneira deles foi desprezada pela cúpula. Hoje seus nomes ainda são respeitados entre a maioria dos colegas. Mas seus exemplos de seriedade, honestidade e competência não empolgaram as novas gerações.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração