Pages

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Dilma prepara ida a Nova York e cogita denunciar golpe em cerimônia da ONU



A presidente Dilma deverá mesmo ir Nova York, nos Estados Unidos, para participar da reunião sobre clima na Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira, 22. Dilma pretende falar na tribuna internacional para denunciar o  golpe contra seu mandato, por considerar que está sofrendo impeachment sem crime de responsabilidade. A previsão é que a presidente embarque na quinta-feira, 21, e volte ao Brasil no sábado, dia 23.

Na semana passada, a viagem dependia da não aprovação do processo de impeachment na Câmara. Com a derrota, a viagem foi suspensa, mas agora, com a estratégia de difundir a mensagem de ruptura institucional, a presidente voltou a discutir o assunto e deverá mesmo viajar, a não ser que alguma mudança de última hora faça a presidente desistir.

OEA critica golpe contra  contra Dilma e Tucano foi se explicar

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, o uruguaio Luis Almagro, publicou nota oficial dizendo que “o impeachment constitui um ato de flagrante ilegalidade”. O documento também afirma o seguinte:

“Nossa organização fez uma análise detalhada sobre o julgamento político que teve início contra Dilma e concluiu que não se enquadra nas normas que sustentam esse procedimento”
Luis Almagro
Secretário-geral da OEA

Temer pediu ajuda para rebater 'discurso de golpe' no exterior, diz tucano em missão nos EUA

Para convencer interlocutores internacionais  que o PSDB não é golpista, o  senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) foi escalado por Temer para ir aos Estados Unidos. O senador tucano embarcou para os EUA com a missão de “explicar que o Brasil não é uma república de bananas”.

Em visita a Washington para se reunir com autoridades do Congresso e do governo americano, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) diz que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) lhe telefonou na véspera da viagem preocupado com a difusão do discurso de que "há um golpe em curso no país" e pedindo ajuda para desmontar a tese.

Presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, Aloysio afirma em entrevista à BBC Brasil que defenderá a legitimidade do impeachment em suas reuniões com as autoridades dos EUA. Até a quarta-feira, ele se encontrará com senadores e com o subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado, Thomas Shannon, que serviu como embaixador no Brasil.

Nas últimas semanas, representantes de organismos regionais e agências da ONU expressaram ressalvas quanto ao processo.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, disse que o impeachment era movido por "razões políticas oportunistas". Para o secretário-geral da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), Ernesto Samper, o processo ameaça a segurança jurídica do Brasil e da região.

Nos anos 1960, Aloysio integrou Aliança Libertadora Nacional (ALN) e participou da luta armada contra a ditadura militar. Ele se filiou ao PSDB em 1998 e já foi eleito deputado estadual, vice-governador de São Paulo (na gestão de Luiz Antônio Fleury) e deputado federal. Em 2011, assumiu o posto de senador.

Além da OEA, Unasul também criticou o impeachment

A crítica do representante da OEA foi seguida por posição semelhante do secretário-geral da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), o colombiano Ernesto Samper. O representante do órgão sediado em Quito, no Equador, que representa 12 países sul-americanos, disse o seguinte:

“Aceitar que um mandatário possa ser tirado do cargo por supostas falhas em atos de caráter administrativo levaria a uma perigosa criminalização do exercício do governo por razões de índole simplesmente políticas”
Ernesto Samper
Secretário-geral da Unasul

Além da OEA e da Unasul, presidentes de outros países da região e até de órgãos da ONU também criticaram o impeachment. Governos mais à esquerda - como os da Bolívia, Equador e Venezuela -  também fizeram defesa da presidente Dilma.

3 Comentários:

José Ruiz disse...

seria muito positivo se ela identificasse os golpistas, sobretudo a Globo.. é uma oportunidade única para o mundo entender porque (como a imprensa lá fora mostra) um bando de ladrões julga uma presidente honesta..

jorge disse...

Isso , dá nome aos Bois Presidenta

Paulo Viana disse...

Na minha leiguice, existe ambiguidade na acusação,porque em determinada situação, um paragrafo de uma lei é suprimido por outro paragrafo de outra lei. Ai fica cada um com suas razões.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração