Pages

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Ameaça a Temer é plano B de Cunha para se salvar



Aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já têm a receita para pressionar o vice-presidente Michel Temer a cumprir compromissos firmados para a aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Eles pretendem manter a ameaça de apoiar a abertura de um pedido de afastamento contra o vice.

O principal objetivo dos aliados de Cunha é evitar a cassação do mandato dele. Para isso, contam com a ajuda do vice. Exigem que Temer não faça qualquer tipo de interferência no processo que tramita no Conselho de Ética. Esperam, sobretudo, que ele não dê nenhuma declaração desfavorável ao presidente da Câmara.

Segundo aliados de Cunha, sempre que Temer for questionado sobre o assunto, deverá dar uma resposta padrão: "Trata-se de um assunto interno da Câmara". Por ora, não há atritos entre Cunha e Temer. Muito pelo contrário. Os dois se falam por telefone diariamente e, pelo menos uma vez por semana, almoçam ou jantam juntos.

O presidente da Câmara ainda não tem nenhuma queixa contra o correligionário. E confia no vice. No entanto, conforme O Estado de S. Paulo apurou, aliados de Cunha recomendaram que ele tivesse "uma carta na manga" para pressionar Temer caso seja necessário. Um dos defensores da ideia é o deputado Paulinho da Força (SD-SP).

A ideia surgiu há duas semanas, mais especificamente quando Cunha discutiu com seus aliados a necessidade de pressionar do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) a reverter a obrigatoriedade de instalação de uma comissão especial para o impeachment de Temer.

A decisão liminar (provisória) foi concedida pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello. No dia 5 de abril, ele aceitou um mandado de segurança apresentado pelo advogado Mariel Marley Marra, de Minas Gerais, que questionara o arquivamento do pedido de impeachment contra Michel Temer.

Em dezembro passado, Cunha havia arquivado o pedido de afastamento contra o vice. Temer é acusado de ter assinado, como presidente em exercício, decretos suplementares ao Orçamento - um dos motivos que justificaram a acusação de crime de responsabilidade contra Dilma Rousseff.

Ao analisar o caso, o presidente da Câmara concluiu que os decretos de Temer foram assinados antes da revisão da meta de julho de 2015 e os de Dilma, depois. Por esse motivo, ele concluiu que a presidente teria cometido crime de responsabilidade e o vice, não.

Para Marco Aurélio, o presidente da Câmara não deveria ter se manifestado sobre o mérito do caso, apenas sobre seus aspectos formais, por isso determinou que Cunha instalasse a comissão para analisar o impeachment. A decisão do ministro do STF deixou Cunha enfurecido. Imediatamente, ele resolveu recorrer à Suprema Corte. Contudo, nas últimas semanas, não insistiu no caso, depois que foi alertado por aliados que um pedido de impeachment contra Temer poderia ser usado para pressionar o vice.

Cunha e Temer atuaram juntos nas estratégias de aprovar o impeachment de Dilma. O presidente da Câmara cuidou da formação da cúpula da comissão especial até a conquista dos apoios dos partidos na reta final da votação em plenário. Ao lado de Cunha, teve atuação expressiva o deputado André Moura (PSC-SE).

Já pelo lado de Temer, a missão ficou com o ex-ministro Eliseu Padilha, um de seus aliados mais próximos. No dia da votação do impeachment, os dois visitaram as lideranças dos partidos juntos numa demonstração clara de parceria. As informações são do Estadão

2 Comentários:

Bel disse...

Li no O cafezinho: ¨Congresso em Notas: Foram 367 votos pelo impeachment, exatamente o mesmo número que elegeu Cunha presidente da Câmara. Coincidência?¨. Hummmmm....Esse golpe vem de plagas distantes.

GILSON MARTINEZ COSENZA Fatime disse...

PRESIDENTE DILMA , OS AMIGOS PEDEVISTAS, QUE ESTÃO ESPERANDO A PELO MENOS 20 ANOS, OS GOVERNOS DO BRASIL CORRIJAM EM NOSSAS VIDAS AS INJUSTIÇAS QUE OS HOMENS PÚBLICOS, DESSE PAIS, ESTÃO ACOSTUMADOS A PRATICAREM COM AS VIDAS DOS OUTROS, SEM O MINIMO PUDOR E RESPEITO.
COMO VIVEMOS E PRESENCIAMOS EM VÁRIOS MOMENTOS DA HISTORIA E DE NOSSAS VIDAS, FALO ISSO, POIS, O QUE ESSES PODRITICOS VEM FAZENDO COM O POVO E COM VOSSA SENHORIA É A IMPOSIÇÃO DA DESESPERANÇA ESTAMPADA NOS ATOS DE GANANCIAS. O QUE AQUI REGISTRAR É O MESMO SENTIMENTO QUE VIVEMOS ATÉ HOJE, QUANDO SOUBEMOS QUE O GOVERNO DO BRASIL IRIA DAR UM GOLPE NOS PEDEVISTAS, E COM ISSO, ENGANAR AS SUAS FAMILIAS, COMO ESTÃO FAZENDO COM VOSSA EXCELENCIA, COM TODAS AS INSTITUIÇÕES CONCORDANDO ENTRE SI QUE TUDO ESTÁ DENTRO DO ORDENAMENTO JURIDICO E POLITICO E QUE VOSSA EXCELENCIA FOI QUEM MUTILOU E VIOLOU AS LEIS INSTITUÍDAS. PORTANTO , É CABIVEL A SUA SAIDA DO COMANDO DO BRASIL , ASSIM COMO, FOI CONOSCO, FOMOS RETIRADOS DOS CARGOS COM A MAIOR VIOLENCIA TECNICA E POLITICA INSTALADA NESSE PAIS SEM PUDOR E RESPEITO AOS NOSSOS FAMILIARES, POIS NÃO IMPORTA NESSE PAIS SE ESTÃO PRATICANDO A VERDADE OU MENTIRA, O QUE INTERESSA É O BEM ESTAR MOMENTANEO DAQUELES QUE JULGAM SEM QUE HAJA MOTIVOS E FAZEM QUESTÃO DE PRATICAREM ATOS LESIVOS AOS DIREITOS DE OUTREM.
POR ESTA RAZÃO É QUE VENHO SOLICITAR A VOSSA EXCELENCIA QUE PROCEDA COM JUSTIÇA E REPARE ESSAS INJUSTIÇAS COSTUMEIRAS NESSE PAIS E PROMOVA A REINTEGRAÇÃO DESSES PEDEVISTAS QUE TEEM O DIREITO DE OCUPAR NOVAMENTOS SEUS CARGOS USURPADOS EM NOME DA IMORALIDADE ADMINISTRATIVA E POLITICA.
ME CHAMO , GILSON MARTINEZ COSENZA.
E O MEU E-MAIL: GILSONFNRMC@GMAIL.COM.
SE VOSSA EXCELÊNCIA ENTENDER QUE É QUESTÃO DE JUSTIÇA, FAÇA ESSA JUSTIÇA , NÃO DEIXE QUE ESSE PROCESSO SE ARRASTE POR MAIS ALGUNS ANOS.
CONFIE EM DEUS E SIGA .
AVANTE GUERREIRA.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração