Pages

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Marcelo Odebrecht peita Moro





  Na hora das provas
Janio de Freitas

Além das evidências de mentiras de Paulo Roberto Costa, que já goza o prêmio de liberdade plena por suas delações, o documento de defesa entregue ao juiz Sergio Moro por Marcelo Odebrecht expõe, também, os riscos que os métodos da Lava Jato levam às decisões da Justiça neste caso. Os registros eletrônicos de Marcelo, cifrados ou muito sintetizados, foram "traduzidos" por interpretações dos integrantes da Lava Jato, que as utilizaram como "provas" nas acusações.

 Muitas dessas ilações parecem lógicas e irrefutáveis, de fato, como rastros comprometedores de Marcelo com práticas perseguidas pela Lava Jato. As explicações dos mesmos registros, porém, uma a uma feita por Marcelo, parecem também lógicas e irrefutáveis. E, algumas, até coincidentes com fatos externos conhecidos, e citados. Com um ano e sete meses de Lava Jato, as diferenças entre delação premiada e investigações mostram-se ainda. Ou se mostram ainda mais, quando tudo passa dos depoimentos em inquéritos para os julgamentos, que devem pesar as bases para condenar ou absolver. 

Presume-se que, à falta de investigações, a decisão de um juiz, na discórdia entre ilações de aparência lógica e explicações de aparência lógica, só disponha da opção subjetiva para apresentar como decisão. Um nível de insegurança muito alto, portanto. No caso de Marcelo Odebrecht, seus registros eletrônicos são apenas parte na acusação. Há também delações premiadas que mencionam sua empresa nas transações corruptas em torno da Petrobras.

 Mas por Paulo Roberto Costa, e não só por ele, evidenciam-se problemas em delações que deveriam ser evitados por investigações da Polícia Federal e de procuradores. No que se refere a tais evidências, está claro que não houve investigações ou foram insuficientes, fosse na profundidade, fosse na qualidade técnica. Há esclarecimentos devidos ao país tão abalado pelo que a Lava Jato irradiou. O risco de condenações e absolvições baseado em subjetividades, e por desejo de julgadores ou por pressões, pode ser muita coisa, menos Justiça.


1 Comentários:

Antonia Cruz disse...

Marcelo Odebrech deu um show, respondeu por escrito e não deixou brecha para edição de jornalismos Golpistas. Suas respostas estão todas lá nas laudas entregues assinadas e rubricadas em todas. Moro não contava com um réu tão inteligente em seu tribunal, estava acostumado com tipos Youssef, Moro sabe que Marcelo não vai falar o que ele quer, Marcelo falou o que precisava ser falado.
Com este cavalo de pau, o lava jato segue e condenará Marcelo, mas em 2° instância, provavelmente será absorvido.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração