Pages

terça-feira, 19 de maio de 2015

Dilma encontra primeiro-ministro chinês no Palácio do Planalto


 Presidente Dilma assina 35 acordos com a China em visita do premiê Li Keqiang


Primeiro-ministro chinês foi recebido por Dilma Rousseff no Planalto.Acordos se referem a oito áreas, como transporte, energia e agricultura.
Representantes dos governos do Brasil e da China assinaram nesta terça-feira (19) 35 acordos de cooperação em ao menos oito áreas em cerimônia no Palácio do Planalto. A presidente Dilma Rousseff e o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, acompanharam o evento no Salão Oeste do palácio.
 As assinaturas ocorreram após reunião entre Dilma e Keqiang. O representante do país asiático chegou ao Brasil nesta segunda (18). Ainda nesta terça, ele se encontrará com os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Nesta quarta (20) e na quinta (21) Keqiang terá compromissos no Rio de Janeiro.

Entre as áreas que serão beneficiadas com os acordos anunciados nesta terça, estão planejamento estratégico, infraestrutura, transporte, agricultura e energia.
Dos 35 acordos, também haverá cooperação entre os países nas áreas de mineração, ciência e tecnologia e comércio.

O Brasil tem a China como principal parceiro comercial. Em 2014, as exportações para o país asiático somaram US$ 40,6 bilhões, enquanto as importações chegaram a US$ 37,3 bilhões, resultando em um fluxo comercial de US$ 77,9 bilhões, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Entre janeiro e abril deste ano, o comércio entre Brasil e China acumulou US$ 21,7 bilhões.

Entre os acordos, estão o que prevê  um plano de ação conjunta entre o Brasil e a China até 2021; cooperação no desenvolvimento de investimentos na área de capacidade produtiva; na elaboração de estudos de viabilidade do projeto ferroviário transcontinental; e cooperação para financiamento de projetos da Petrobras no valor de R$ 5 bilhões.

Outros acordos preveem também instalação do complexo metalúrgico do Maranhão; financiamento para a compra de 40 aeronaves da Embraer; cooperação na área de tecnologia nuclear; e criação do polo automotivo de Jacareí (SP).

Além desses, outros acordos determinam a oferta de treinamento na China em tecnologia da informação a bolsistas do programa Ciência Sem Fronteiras; e financiamento de 14 navios de minério de ferro com capacidade para 400 mil toneladas.

1 Comentários:

Luiz Mattos disse...

A opósição pira.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração