Pages

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Troco aos parlamentares que liberaram terceirização terá de vir das urnas


Você bate o ponto e trabalha pelo menos oito horas por dia em uma empresa. Cumpre ordens e metas do chefe desta empresa. Mas no papel seu patrão oficial é outro de outra empresa, como se fosse "de fachada", onde você não coloca os pés para trabalhar. Seu patrão oficial é uma espécie de "laranja" do patrão de fato.

Isto é o Projeto de Lei (PL) 4.330/2004, que libera geral a terceirização da mão de obra sem limites. Projeto polêmico na pauta da Casa desde 2004, tem a seu favor o empresariado encabeçado pela CNI e Fiesp e conta com o apoio da Força Sindical. Em lado oposto, contra o projeto, estão a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Conlutas e o Ministério Público do Trabalho, que é contra porque a instituição prevê precarização do emprego.

A decisão de trazer o PL para votação foi do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que tem medido força com a presidente Dilma Rousseff (PT). A aprovação do projeto que coloca em lados opostos trabalhadores e patrões... Continue lendo aqui

3 Comentários:

Victor Marian disse...

O Povo tem que saber que quem votou nessa lei absurda foi PMDB, DEM, PSDB, SD, PV, PTB, PP, PRB, PSC, PSD e parte da bancada do PSB. Todos com a instrução do Eduardo Cunha o maior lobista da CNI e FIESP . Cunha vc terá que responder pelo rombo na Previdência e pela sua associação com o traficante colombiano Juan Carlos Abadia.

José Carlos Lima disse...

LULA e Temer precisam ressuscitar o Centro Democratico que foram 61 deputados que sairam do Centrao na Constituinte de 88 o que permitiu ao pais avancar..com esse Centrao comandado por Cunha nao rola: eh caixao

José Henrique disse...

Discordo, o troco tem que vir do governo. Dilma tem que tomar providência, fazer o melhor e se os deputados não quiserem tem que usar a mídia para informar a nação. E tem mais ela tem que vetar o projeto de terceirização, mesmo que seu veto seja derrubado por este congresso nefasto.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração