Pages

domingo, 1 de junho de 2014

Black blocs espera ajuda do PCC para promover caos na Copa



Os black blocs que executaram as ações de grande repercussão do ano passado continuam fora do radar da polícia, e prometem transformar a Copa do Mundo "num caos". Para isso, alguns deles esperam que o Primeiro Comando da Capital (PCC), a organização que domina os presídios paulistas e emite ordens para criminosos soltos, também entre em campo

Com o compromisso de não identificá-los, a reportagem do jornal "O Estado de S.Paulo" ouviu 16 desses black blocs, em seis encontros, na última semana. À diferença dos adolescentes que os imitaram em depredações, e que acabaram arrolados em um inquérito do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), eles são adultos, seguem tática desenvolvida há décadas na Europa e nos Estados Unidos, não têm página no Facebook nem querem aparecer.

Dos 20 que formam o núcleo da rede, apenas um foi fichado, porque foi detido em uma manifestação. Movem-se na sombra do anonimato, articulam-se nacionalmente, e nunca haviam dado entrevista antes. Preocupados com sua imagem perante a opinião pública, decidiram falar, pela primeira vez. "Vamos estourar de novo agora", promete o mais veterano deles, de 34 anos, formado em História na USP e com matrícula trancada no curso de Psicologia.

"A gente vai devolver o troco na moeda que o Estado impõe", ameaça o ativista, que trabalha para um hospital público de São Paulo. "O caos que o Estado tem colocado na periferia, por meio da violência policial, na saúde pública, com pessoas morrendo nos hospitais, na falta de educação, na falta de dignidade no transporte, na vida humana, é o caos que a gente pretende devolver de troco para o Estado. E não na forma violenta como ele nos apresenta. Mas vamos instalar o caos, sim. Esse é um recado para o Estado."

"A gente tem certeza de que o crime organizado, o PCC, vai causar o caos na Copa, e a gente vai puxar para o outro lado", continua o veterano. "Não temos aliança nem somos contra o PCC. Só que eles têm poder de fogo muito maior do que o MPL (Movimento Passe Livre, que iniciou as manifestações, há um ano, com ajuda dos black blocs). Pararam São Paulo", acrescentou, lembrando as ações do PCC na década passada. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

7 Comentários:

luiz ribeiro disse...

Não passam de bandidos manipulados pela extrema direita, estes jovens não tem ideia do que foi a ditadura e os governos anteriores a Lula. Na ditadura as manifestações eram pacíficas, mas mesmo assim os manifestantes eram recebidos pela cavalaria na ponta da baioneta e chumbo quente. Esses não são manifestantes e sim bandidos que a direita manipula com um único fim: derrubar Dilma.



Brasil pra frente... disse...

Tucanos não querem participação popular na Democracia:

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2014/06/02/oposicao-quer-reverter-criacao-de-conselhos-537388.asp

Ignez disse...

Isso é bastante preocupante. São mercenários infiltrados. São aditivados pela extrema esquerda radical (comunismo barba de bode), pelos partidos de direita (PSDB, DEM, PP, etc) e pela elite reacionária. Que a inteligência da PF e dos órgãos competentes estejam investigando e tomando providências sobre o caso.

ROSALVO ALMEIDA disse...

SÃO TIPICOS FILHOS DO SETOR FASCISTA DA CLASSE MÉDIA CASSETE NELES

Maria José Fernandes disse...

É ai que tem que entrar novas leis não permitindo manifestação disfarçada, só ser permitida se for de cara limpa, senão enjaula e leva para a delegacia para prestar esclarecimentos.

henrique de oliveira disse...

Desde quando a senzala se une a casa grande para fazer qualquer coisa? O PCC luta e tem ódio de coxinha filhinho de papai.
Papo furado de bunda mole que sabe que estão sozinhos nessa empreitada de ferrar com o evento.

J.Mário disse...

A bem da ordem pública e da segurança da maioria a PF pode requisitar na fonte da matéria os nomes e desde já prender estes bandidos, não?

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração