Pages

domingo, 18 de maio de 2014

Nunca uma eleição tão fácil se torna tão disputada, como será a de Dilma.


Vocês viram o programa partidário do PT na TV, na quinta-feira? O vídeo está aí para quem não viu.

Em dez minutos na TV deu para ver que o governo Dilma e todo o PT dá um passeio na oposição. Imagina na campanha quando terá muito mais do que 10 minutos, e todo dia.

Este ano tinha tudo para ser uma eleição fácil. Talvez mais fácil do que as de Lula e a de 2010, porque o governo petista amadureceu, consolidou suas prioridades políticas originais de combater a pobreza, superou a fome, e muda de estágio para um patamar mais alto, para resolver problemas típicos de um país mais desenvolvido do que era em 2003.

Seria fácil só se tivéssemos uma imprensa de massa honesta, sobretudo na TV, que não fosse escancaradamente demotucana. Com os principais canais de TV agindo como partidos de oposição golpistas, toda eleição fica difícil e disputada. Não dá para brincar.

Mas como diz o Lula, não adianta reclamar. Nada veio fácil. Adianta ir a luta e nos desdobrarmos na internet e no cotidiano porque temos os melhores argumentos e resultados para mostrar e enfrentar qualquer debate com nossos amigos e conhecidos.

4 Comentários:

Jbmartins-Contra o Golpe disse...

Estamos sendo bozinhos achar que esta midia é somente Demotucana, acrescento é UDN, com uma elite reacionaria, cruel.

Ralph de Souza Filho de Souza Filho disse...

Caro e prezado Zé Augusto, é com imensa satisfação e prazer, que venho expor, minha discordância frontal, em relação à sua posição, de um deprimente pessimismo. Acredito firmemente sem duvidar, que, a Presidenta Dilma, leva no primeiro turno, que, o Brasil ganha a COPA com Fred e Neymar na ponta dos cascos, e, mais, ainda, que, Padilha, à medida que o desastre da sêca paulista Tucana for se intensificando, paralelamente aos demais escândalos, que não há como tapar com a peneira, ainda que folha, estadão e veja , trabalhem com este intuito, bate Alckmin e vira governador, com Haddad na prefeitura, com Pimentel a deixar Pimenta da Veiga e, seus processos de caixa dois, para trás, e, a ver navios, em Minas e, de sopetão, para encerrar, veremos Lindberg, pôr o PT , pela primeira vez no Palácio Laranjeiras. Pode anotar, e se associar à estas previsões, que, então, mudarão a face do Brasil, com uma eleição de quadros majoritariamente à esquerda do espectro, complementando a novíssima configuração, após os tres governos trabalhistas. O cotidiano, daqueles que experimentaram a ascenção, reforçado, pelo contingente imenso e ainda incomensurável a ser incluído, é o combustível do cenário definitivo, a vir fechar a tampa do esquife dos Tucanos Plutocratas Neoliberais, de plumagem aristocrática, sofisticada e conservadora. Saudações do Planta do Deserto, a quem, basta, tão somente, o orvalho do alvorecer...

RLocatelli Digital disse...

É de se esperar que a mídia rentista (Globo, Folha, etc) atuem como partidos de direita. Por isso é fundamental proibir a propriedade cruzada de mídia. Países como a Inglaterra, a França e agora também a Argentina têm leis que proíbem o monopólio e a propriedade cruzada de meios de comunicação.

ANTONIO LUIZ disse...

Muito bom, começamos a mostrar quem realmente somos e o que queremos, mas principalmente o que ja fizemos, e se o que fizemos foi bom, temos que preserva-las, temos muito que mostrar daqui pra frente mas ao mesmo tempo, defendendo, atacando e desmistificando as mentiras, e isso não sera dificil basta continuar mostrando como era e como e agora,não deixando o povo esquecer de como o pais era governado para ele, relembrando do que agente não tinha e o que temos hoje, portanto temos muito a perder se deixarmos o brasil voltar para as maõs dos que so tirou da gente, hoje o brasil esta nas nossas mãos, e podemos melhorar ou piorar, isso depende em quem vamos acreditar. so por isso, temos o dever de por as cartas na mesa, afinal não temos nada a temer Avante brasil, Obrigado Dilma

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração