Pages

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Aéroneves: Governo de Minas pôs dinheiro público em área que pertenceu a tio de Aécio



Cronologia: construção do aeroporto em Cláudio (MG)
 Governo de Minas pôs dinheiro em área que pertenceu a tio de Aécio em 1983 e em 2009
Pista de 1km de asfalto para aviões de pequenos e médio porte em fazenda da cidade de Cláudio (MG)
 Obra em fazenda que pertenceu a familiares de Aécio Neves (PSDB) recebeu dinheiro do governo mineiro e já era alvo de investigações. As informações são do Estadão

1983

Minas, comandada por Tancredo Neves, repassa Cr$ 30 milhões para a prefeitura de Cláudio, comandada por Múcio Guimarães Tolentino, cunhado do governador. O dinheiro é usado na construção de um aeroporto de terra batida na fazenda de Múcio, que alega ter acordo "verbal" com o cunhado sobre a desapropriação da área. Tancredo morre em 1985.

1995

Câmara Municipal de Cláudio recebe relatório do Tribunal de Contas sobre gastos públicos no aeroporto de terra batida. Vereadores tentaram investigar a legalidade do negócio. Pedem a Múcio que passe o aeroporto para o município e tentam convencer Risoleta Neves, viúva de Tancredo, a intervir, mas eles não têm sucesso.

2000

Vereadores vão ao Ministério Público, que abre investigação e ingressa com ação civil contra Múcio pedindo a indisponibilidade de seus bens, incluindo o terreno do aeroporto, quebra de sigilo bancário e ressarcimento ao erário. Risoleta morre em 2003.

2003

O processo contra Múcio é arquivado pela Justiça. Depois é reativado. Continua em andamento ainda hoje. Parte das acusações prescreveu, mas a Constituição veda a prescrição do ressarcimento ao erário.

2008

Minas, agora comandada por Aécio Neves, neto de Tancredo e sobrinho de Múcio, desapropria a área dentro da fazenda do tio-avô onde havia a pista de terra batida. O valor oferecido pelas terras foi de R$ 1 milhão.

2009

Governo de Minas gasta R$ 13,9 milhões na construção da pista de 1 km de asfalto para aviões de pequeno e médio porte. A obra dura um ano. A cidade vizinha de Divinópolis, a 50 km de Cláudio, já dispunha de aeroporto. Enquanto isso, Múcio contesta o valor da desapropriação.

2014

O jornal Folha de S.Paulo publica reportagem sobre a construção do aeroporto e mostra que as chaves do local continuam nas mãos dos parentes de Aécio. Fernando Tolentino, um dos filhos de Múcio, diz que o aeroporto costuma ser usado pelo tucano, cuja família tem uma fazenda que fica a 6 quilômetros da pista construída com verba do governo de Minas.

Lei aprovada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais deu nome de tio de Aécio para aeroporto em MG



O aeroporto da cidade mineira de Cláudio, construído pelo governo de Minas num terreno de um parente do  candidato à presidência  Aécio Neves (PSDB) desapropriado pelo Estado de Minas pelo próprio Aécio Neves quando era governador, ainda não foi inaugurado nem está liberado para operar, mas já teve batismo oficial. Assembleia aprovou iniciativa de deputado antes que obra em Cláudio ficasse pronta
Aeroporto construído pelo então governador de Minas, Aécio Neves, em Cláudio (MG)
  Uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em 2009, determina que o local seja denominado “Aeroporto Deputado Oswaldo Tolentino”, nome de um tio-avô de Aécio.
Na semana passada, quando a reportagem da Folha esteve no aeroporto de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte, não havia placa ou indicação que revelasse seu nome. As informações estão no jornal Folha de SP

Já falecido, Oswaldo era irmão de Múcio Tolentino, 88, outro tio-avô do presidenciável e dono do terreno onde o governo de Minas construiu o aeródromo. A obra custou R$ 14 milhões e foi feita quando Aécio era o governador.

A área foi desapropriada, mas o tio de Aécio contesta o valor proposto pelo governo para a indenização. O Estado obteve a posse do terreno, mas não o registro, que ainda está em nome de Múcio.

Conforme a Folha mostrou no domingo (20), o aeroporto era controlado na prática por familiares de Aécio, que guardavam as chaves do portão e autorizavam pousos e decolagens. Segundo um primo do presidenciável, a pista recebe voos semanalmente e é usada pelo próprio Aécio sempre que ele visita a Fazenda da Mata, refúgio familiar que fica a 6 km do local.

Aécio divulgou nota afirmando que a construção seguiu critérios técnicos e que seus familiares não foram beneficiados com a obra. Ele nega qualquer irregularidade.

A lei 18.386, que batizou o aeroporto, foi apresentada na Assembleia pelo agora deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG), aliado de primeira hora do senador tucano.

No projeto de lei, ele justificou a decisão de batizar o aeroporto com o nome do parente do então governador de Minas: “[Presta] justa homenagem ao ex-deputado Oswaldo Tolentino, um dos filhos mais ilustres do município, que foi o primeiro claudiense a nele pousar com seu próprio avião, de nome Aeronca, em meados de 1953″.

Em setembro de 2009, um ano antes da conclusão da pista, o então governador Aécio Neves promulgou a lei, batizando o aeroporto de Cláudio com o nome de seu tio Oswaldo Tolentino.

Aeroporto 'do Aécio' teve dinheiro público também em 1983 quando o avô era governador.

http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,pista-de-terra-de-aeroporto-tambem-teve-verba-publica,1533108

Em 1983, o avô de Aécio, Tancredo Neves era governador de Minas e seu cunhado Múcio Tolontino era o prefeito de Cláudio. Nesta época já misturaram o público com o privado.

Tancredo liberou verba do Estado de Minas para seu cunhado prefeito construir a pista de pouso de terra batida na cidade.

O valor era de Cr$ 30.000.000,00 (cruzeiros, o dinheiro da época) equivalente a cerca de R$ 745 mil no dinheiro de hoje corrigido pelo IGP-DI. Nada mal para uma pista de terra.

O prefeito Múcio pegou o dinheiro público e construiu a pista em sua própria fazenda particular, sem desapropriar.

Em 2001 o Ministério Público Estadual abriu processo por improbidade administrativa, para reaver o dinheiro. O processo corre até hoje.

Em 2008, o governador era Aécio Neves e desapropriou justamente estas terras de seu tio-avô Múcio onde estava esta pista para construir o aeroporto a 6km da fazenda do senador tucano, gastando R$ 14 milhões.

Como se vê, a confusão do público com o privado na oligarquia dos Neves da Cunha vem de longe.

A notícia veio do Estadão (que teve a gentileza de poupar o nome de Aécio no título e no subtítulo).

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Aécio construiu aeroporto em outra cidade que tem fazenda: Montezuma



Cidade tem 7.500 habitantes, apenas 27% das residências atendidas por rede de esgoto e muitas ruas não têm ainda um asfalto como o da pista do aeroporto, feito com recursos do munícipio

Não foi só a cidade de Cláudio (MG), onde o senador Aécio Neves (PSDB) tem propriedade rural, que teve aeroporto construído com critérios que mais atendem a conveniência privada da oligarquia política dos Neves da Cunha do que ao interesse público.A cidade de Montezuma, no norte do estado, também teve sua pista de pouso asfaltada quando o tucano era governador. A Perfil Agropecuária..Leia mais aqui

Serra faz campanha no Rio e reencontra Itagiba. Candidato a senador por SP ou a substituto do Aécio?

Arnaldo Jabor esteve na livraria no Rio para o lançamento do livro de Serra.
- Uai! O Serra não é candidato a senador por São Paulo?
- É.
- Então, em plena campanha eleitoral, porque ele largou a apertada campanha em SP e foi promover um evento no Rio?

O diálogo acima é imaginário, mas poderia ter acontecido no comitê do Aécio, pois os fatos são reais.

José Serra (PSDB) esteve no Rio de Janeiro, para bate-papo e noite de autógrafos de seu livro "Cinquenta anos esta noite", no Shopping Leblon, na terça-feira.

Em plena campanha ao senado por São Paulo, será que esse lançamento no Rio não poderia esperar até passar as eleições, para ele ficar com a agenda livre e fazer encontros com as bases eleitorais paulistas?

Juntando uma coisa com outra, no caso a Folha serrista ter publicado na primeira página do jornal de domingo a denúncia do aeroporto do Aécio em Cláudio construído com dinheiro público, já tem tucano mineiro com a pulga atrás da orelha, principalmente quando ficaram sabendo que o ex-deputado e ex-delegado Marcelo Itagiba esteve na noite de autógrafos.

Quem não está ligando o nome à pessoa, Itagiba foi apontado como um dos pivôs na suposta guerra de dossiês na disputa tucana Serra x Aécio em 2008/2009 pela candidatura presidencial, que acabou descrita no livro "A Privataria Tucana". Ele negou ter espionado Aécio nas noitadas cariocas para fazer dossiê sobre supostos maus hábitos e costumes de Aécio.

No evento Serra fez questão de "defender" Aécio, que não compareceu, no caso do aeroporto. Mas teve quem interpretou a "defesa" como mais uma forma de manter o assunto desgastante em pauta, quando o quartel-general aecista faz tudo para abafar e tirar o assunto do noticiário.

Tem tucano por aí lembrando que até 20 dias antes das eleições o partido pode trocar o candidato.

Segundo o Facebook do tucano, na noite foram vendidos 300 livros.

Band lança indicador próprio de cobertura eleitoral e aponta Dilma com 50% dos votos válidos



 Grupo Bandeirantes lança indicador próprio de cobertura da disputa  eleitoral. Ferramenta pondera e sintetiza dados dos principais institutos de pesquisa

A cobertura da disputa eleitoral da Band tem uma ferramenta especial este ano  para ajudar o eleitor a entender como anda a evolução dos candidatos. Trata-se  do Índice Band, novidade  do "Band Eleições", programa que estreou anteontem e irá ao ar todas as  segundas-feiras.  O índice vai mostrar semanalmente a evolução de  votos na disputa presidencial com base nos dados de  vários institutos de pesquisa. Na primeira análise, o  índice aponta que, se a eleição fosse hoje, a presidente Dilma Rousseff (PT) teria  50% dos votos válidos. Aécio Neves (PSDB) teria 27%  do total das urnas, enquanto Eduardo Campos (PSB) ficaria com 14% da preferência dos eleitores e o Pastor  Everaldo (PSC), 4%.

O responsável pelo Índice Band é o cientista político Antonio Lavareda, que  analisa as pesquisas registradas e divulgadas, sempre  fazendo uma média ponderada -  ou seja, sintetizando  todos os dados em um único  índice, apenas com os votos  que seriam válidos.

Para Lavareda, a disputa  para presidente poderá ser  resolvida com os votos de  São Paulo. Ele lembrou que  o Estado tinha um candidato competitivo na disputa  para presidente desde 1955  - o que não ocorre agora.

"São Paulo virou um terreno aberto", afirmou.  Ibope Pesquisa Ibope divulgada  ontem aponta que Dilma   Rousseff (PT) tem 38% das  intenções de voto, 1% a menos do que na pesquisa anterior, de 15 de junho. Aécio  Neves (PSDB) aparece com  22%, ante 21% do levantamento anterior. O candidato do PSB, Eduardo Campos,  tem 8% das intenções de voto. Em junho, o ex-governador de Pernambuco tinha  10%. O pastor Everaldo (PSC)  é escolhido por 3% dos eleitores, mesmo patamar anterior. 

Ministro do TCU isenta Dilma por compra de refinaria e PGR arquiva representação


TCU isenta Dilma Rousseff de responsabilidade do caso de Passadina. Ministro José Jorge afirma que não há provas suficiente para  condenar a presidente.

A presidente Dilma Rousseff e os demais integrantes do Conselho de Administração da Petrobrás em 2006, ano da compra da primeira metade da refinaria de Pasadena, nos EUA, devem se livrar da responsabilidade pelos prejuízos e eventuais irregularidades relacionados ao negócio.

O Tribunal de Contas da União (TCU) incluiu na pauta desta quarta-feira, 23, votação do relatório do ministro José Jorge sobre a compra da refinaria pela estatal. Segundo informação publicada nesta terça no site do jornal Folha de S. Paulo, Jorge isenta Dilma e os outros conselheiros da estatal.

O negócio começou a ser investigado em 2013 pelo Ministério Público junto ao TCU com base em reportagem do Estado

 PGR arquiva representação contra presidente Dilma

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinou, nessa terça-feira, 22 de julho, o arquivamento da representação para apurar supostas irregularidades praticadas pelo Conselho de Administração da Petrobrás – presidido à época pela presidente Dilma Rousseff – na operação de compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006. A representação é de autoria dos senadores Randolph Rorigues (PSol-AP), Cristovam Buarque (PDT-DF), Ana Amelia (PP-RS), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Pedro Taques (PDT-MT), Pedro Simon (PMDB-RS), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e do deputado federal Ivan Valente (PSol-SP).

De acordo com o parecer do PGR, “ainda que se esteja diante de uma avença malsucedida e que importou, aparentemente, em prejuízos à companhia, não é possível imputar o cometimento de delito de nenhuma espécie aos membros do Conselho de Administração, mormente quando comprovado que todas as etapas e procedimentos referentes ao perfazimento do negócio foram seguidos”.

Aécio e Alckmin: união só nas fotos



Desde que começou a eleição, a equipe de Alckmin conversa com integrantes da equipe de Campos para definir estratégias comuns no Estado. E agora começam a pipocar pelo interior paulista fotos e propaganda dessa parceria entre o governador e o presidenciável do PSB.Candidato do PSB age para material não ser distribuído

Os candidatos tucanos Aécio Neves e Geraldo Alckmin cumprem agendas eleitorais juntas, posam para fotos sorrindo, trocam elogios mútuos, mas nos bastidores a relação não é essa maravilha. Preocupado com a sua reeleição, Alckmin adotou medidas que foram na contramão do que queria o presidenciável do PSDB.

O governador paulista fechou coligação com o PSB no Estado, dando o cargo de vice para o presidente estadual do partido, Marcio França. A aliança se traduziu em palanque no maior colégio eleitoral do País para um dos adversários de Aécio, Eduardo Campos.

Alckmin também atropelou as negociações do PSDB para dar a vaga ao Senado em sua chapa para José Serra e a negociou com o PSD, de Gilberto Kassab. Aliados de Aécio achavam essa negociação péssima para o presidenciável: o tempo de TV do candidato ao Senado poderia ser usado a favor de Dilma Rousseff, já que o ex-prefeito apoia a reeleição da Dilma.

A contragosto de Aécio, Alckmin tentou ainda resolver a sua vida defendendo Serra como vice do presidenciável - assim teria a vaga do Senado livre para negociar com outros partidos. Não conseguiu porque Aécio segurou no braço a articulação.

Desde que começou a eleição, a equipe de Alckmin conversa com integrantes da equipe de Campos para definir estratégias comuns no Estado. E agora começam a pipocar pelo interior paulista fotos e propaganda dessa parceria entre o governador e o presidenciável do PSB.

Hoje, no QG de Aécio em São Paulo, a orientação era criar comitês pelo interior paulista para fazer frente a essa parceria Alckmin-Campos. Os tucanos tinham em mente quatro principais cidades: Campinas, Marília, Limeira e São José do Rio Preto, que são governadas pelo PSB e que estimulam a dobradinha.

Por trás desses desencontros entre os dois tucanos, estão as perspectivas eleitorais de longo prazo. Alckmin é candidato a presidente em 2018 e sabe que o caminho só será possível - ou pelo menos mais fácil -  com a derrota de Aécio em 2014.

Mais ou menos o mesmo raciocínio que o mineiro fez em 2010, quando Serra era  candidato a presidente e perdeu a eleição em Minas, onde não contou com a ajuda do correligionário. Aécio sabe disso e tenta se blindar da melhor maneira possível. Tanto que convidou um paulista, o senador Aloysio Nunes Ferreira, para ser vice na sua chapa.

Oficialmente, até o final da campanha, a imagem vendida para o público será de unidade, como na caminhada do sábado em M'Boi Mirim, quando os dois com o mesmo figurino, camisa social de mangas arregaçadas, tentavam reforçar o clima de união. Alckmin foi escalado para a agendas de Aécio em São Paulo e irá participar de todas elas.

Nos bastidores, porém, a distância será cada vez maior até 2018. Artigo publicado no Estadão

Complica a situação de Aécio com aeroporto. Batalhão de advogados são contratados. Globo abafa.


Além dos advogados que já o atendem, Aécio Neves contratou também mais dois que foram ex-ministros do STF, para reforçar sua defesa em possíveis processos civis e criminais, pela construção e uso do aeroporto de Cláudio (MG).

O advogado Ayres Britto e Carlos Velloso foram contatados para emitir parecer sobre a legalidade da desapropriação da terra do tio, e só. Mesmo assim, ambos fizeram ressalvas. Veloso estava em Portugal e ressalvou que "enviava uma breve opinião legal" sobre o caso, dizendo uma coisa genérica, praticamente descrevendo como é a lei, e dizendo que se a desapropriação foi feita de acordo com a lei, então a construção do aeroporto não haveria ilegalidade quanto a esta questão, sem entrar em outros questionamentos. Britto foi na mesma linha, citando a cronologia dos documento de desapropriação e licitação para construção.

A coisa está tão feia que Aécio convocou entrevista coletiva, mas se recusou a responder perguntas, se limitando a ler um texto preparado com o aval de seus advogados e marqueteiros. Nem isso o Jornal Nacional da TV Globo levou ao ar, numa clara manobra de blindar o tucano no noticiário. O telejornal nem tocou no assunto do dia a dia dos candidatos para não expor Aécio, apostando no esquecimento do eleitor.

Uma pergunta muito simples Aécio se recusou a responder: Usou ou não o aeroporto? A reportagem do jornal Folha de São Paulo apurou com testemunho de parentes de Aécio em Cláudio que ele usou sim, e várias vezes. Isso pode complicar bastante a situação jurídica do tucano. Por isso é compreensível que ele não responda aos repórteres e só fale em juízo para evitar se incriminar, mas não pega bem para sua imagem perante os eleitores.

A explicação de Aécio não decola


Aécio monta força-tarefa para rebater acusações de ter desapropriado terreno do tio: Torraram R$ 13,9 milhões em Cláudio, mas há um aeroporto equipado a 36 km dali, em Divinópolis

O senador Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência, organizou uma força-tarefa para tentar minimizar o desgaste causado pela revelação de que, no final de seu segundo mandato como governador de Minas, construiu aeroporto num terreno de parentes que foi desapropriado pelo Estado no município de Cláudio (MG).

O próprio Aécio, que tinha agenda às 16h desta terça-feira (22) em São Paulo, adiou o evento para ficar mais tempo em Minas, acompanhando a operação pessoalmente. O caso foi revelado pela Folha no domingo (20).

Os tucanos decidiram atuar em duas frentes: politicamente, vão acusar a presidente Dilma Rousseff (PT) de usar a máquina do Estado para perseguir adversários.

Leia a seguir o que diz o colunista da Folha Elio Gaspari, sobre o aeroporto tucano

 Torraram R$ 13,9 milhões em Cláudio, mas há um aeroporto equipado a 36 km dali, em Divinópolis

Por Elio Gaspari 

Anac quer saber por que aeroporto do Aécio foi construído com dinheiro público



 A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta segunda-feira, 21, que vai notificar o governo de Minas e a prefeitura de Cláudio, no interior do Estado, para que expliquem o uso de um construído com dinheiro público em um terreno que já pertenceu a um tio-avô do candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves. A agência deu prazo de dez dias para que os dados sejam enviados.

Minas gastou cerca de R$ 14 milhões na construção do aeroporto, que ficou pronto em 2010, último ano da gestão de Aécio como governador do Estado. O terreno que pertencia a um tio-avô do tucano foi desapropriado, mas o caso está em litígio – os antigos proprietários contestam o valor da indenização.

Oficialmente, o aeroporto não pode funcionar, pois não está homologado pela Anac, diz nota divulgada pela agência federal que regula o setor aéreo.

Reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo no domingo, porém, traz relato de um dos filhos do tio-avô de Aécio segundo o qual a pista recebe pelo menos um voo por semana. Fernando Tolentino, filho de Múcio Guimarães Tolentino, tio de Aécio Neves candidato tucano ao Planalto, afirmou ainda, segundo o jornal, que o próprio Aécio, seu primo, usa o aeroporto sempre que visita a cidade. O tucano, junto com as irmãs e a mãe, é dono de uma fazenda que fica a 6 quilômetros da pista. O acesso ao aeroporto é controlado pelos parentes do candidato.

A Anac afirma na nota que o governo de Minas precisa providenciar um parecer da Aeronáutica. A agência também diz que precisa inspecionar o empreendimento. “Se comprovadas as irregularidades, a Anac adotará as medidas cabíveis. Pilotos e operadores de aeronaves que porventura tenham realizado operações aéreas irregulares poderão ser multados em até R$ 10 mil por operação.”

O governo mineiro informou apenas que “o controle de voos é realizado pelo Estado nos aeroportos regionais que possuem aviação comercial regular”. A prefeitura de Cláudio disse que tem convênio com o Estado para explorar o aeroporto, mas não deu informações sobre os voos operados no local.

Já o PSDB divulgou nota acusando o governo Dilma Rousseff de utilizar a Anac para “perseguir adversários políticos”. A campanha tucana promete representar no TSE contra a agência e a presidente Dilma.

Neca Setubal, do Banco Itaú, está fazendo o programa de governo de Eduardo Campos


O  grupo responsável pela elaboração das propostas de Eduardo Campos (PSB) - capitaneado pelo ex-deputado Maurício Rands e pela  Neca Setubal, uma das herdeiras do Banco Itaú - pretende lançar, nos primeiros dias de agosto e antes dos adversários, o programa de governo completo do candidato ao Palácio do Planalto.

Professores ligados à Universidade de São Paulo (USP) - Neca não quis dizer quais -, trabalham no texto, que já conta quase 300 páginas e estaria em fase de ajustes finais.

Para temas mais áridos, estará, segundo Rands, um documento específico para tratar da Reforma tributária, cuja proposta Campos promete enviar ao Congresso já no primeiro ano de mandato, caso eleito em outubro.

Em seu discurso, Campos voltou a criticar o Mais Médicos, uma das bandeiras da presidente Dilma

Ele evitou dar detalhes sobre as propostas que constarão no seu programa de governo. Questionado sobre como fará a redução no número de ministérios - outra promessa -, Campos se mostrou  irritado e disse que as propostas serão reveladas quando o programa for anunciado.

O evento contou com representantes de coligações. Primeiro a discursar, o presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto D"Avila, atacou  o Mais Médicos. 

Também discursaram Marina Silva, o deputado Walter Feldman (PSB-SP), o vereador Laércio Benko (PHS-SP), o presidente do PPL paulista, Miguel Manso, o presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), e a deputada Luiza Erundina (PSB-SP)

Aeroporto de Aécio, abalou a campanha tucana, diz jornal Estadão



Aécio Neves, voltou a defender nesta terça-feira, 22, a construção, do  aeroporto em terreno de seu tio  no município de Cláudio, no interior do Estado, quando ele era governador

A campanha tucana convocou a imprensa, mas Aécio se recusou a responder a perguntas feitas pelos jornalistas que estavam no comitê central, em São Paulo. O candidato fez apenas uma declaração sobre a legalidade da obra, sem dizer se fez ou não uso do aeroporto, que fica a 6 quilômetros da fazenda de sua família.

Reportagem publicada no domingo pelo jornal Folha de S.Paulo revelou que o governo mineiro gastou quase R$ 14 milhões na construção do aeroporto de pequeno porte na área que pertenceu ao tio-avô de Aécio, Múcio Guimarães Tolentino, ex-prefeito de Cláudio. Conforme a reportagem, um dos filhos de Múcio, Fernando Tolentino, disse que o próprio Aécio, seu primo, usa a pista sempre que visita a cidade.

No rápido pronunciamento, Aécio acusou o PT de estar por trás da divulgação do caso.

Abalo.

O caso do aeroporto abalou a campanha tucana. Aécio cancelou sua agenda nesta terça e passou o dia em Belo Horizonte articulando sua defesa.  Embora digam oficialmente que não há crise na campanha, aliados do senador admitem reservadamente que o sinal amarelo foi aceso depois que o caso foi repercutido pelo Jornal Nacional, da Rede Globo.

A estratégia para sair da defensiva já foi traçada: culpar a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) pelo vazamento e o PT pela propagação da história e por tentar politizar a denúncia. “Esse assunto ocorreu em 2010. A denúncia foi feita, claro, por vazamento de algum órgão de governo que tenha a informação e controla o funcionamento do aeroporto”, disse o senador José Agripino (DEM-RN), coordenador da campanha de Aécio, sem citar nominalmente a agência.

A Anac anunciou que vai apurar se aviões pousaram ou decolaram da pista em Cláudio, pois o aeroporto não tem autorização do órgão para operar.

O PT entrou nesta terça com um pedido para que a Procuradoria-Geral da República abra inquéritos civil e criminal para investigar se houve irregularidades cometidas pelo candidato do PSDB. A sigla solicita que sejam apurados práticas de improbidade administrativa, crimes de peculato, prevaricação e outros.

Na capital mineira, o promotor Júlio César Luciano, do Ministério Público estadual, disse que instaurou um procedimento prévio de investigação para apurar o caso.

Depois do boneco de papelão,do aeroporto particular, Aécio lança o “cercadinho”



Que o  PSDB  é um partido da elite, todos sabem.Sabemos também que políticos tucanos não se misturam  com o “povão”. Ou vocês,  meus queridos leitores, já viram  algum comício do PSDB?.  Uma imagem publicada na imprensa nessa  semana  confirma que os tucanos não gostam de pobre. No  domingo (20), Aécio participou em Juazeiro do Norte de Missa em Ação de Graças aos 80 anos de morte do Padre Cícero Romão Batista. Até ai, não tem novidade nenhuma. De quatro em quatro anos,os tucanos viram religioso,usam igrejas evangélicas e católicas como palanque eleitoral e abandonam depois que perdem a eleição. 

No entanto, o que chamou atenção na imagem é, um "cercadinho" isolando Aécio Neves  do restante do povo que estavam na missa - Observe a imagem -
Separado por um cercadinho, Aécio vê o povão de longe...Aécio lança o "Camarote VIP" na missa
Na convenção realizada para confirmar Aécio Neves  candidato do PSDB à presidência,depois dos discursos, Aécio, Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin  e outros tucanos que estavam  no evento, foram para uma sala mais reservada bater papo, mas antes, espalharam por um salão um "bonecos de papelão"  do Aécio,  para a plateia, maioria  de pobre da periferia de São Paulo  tirar fotos
Em 2010, quando o  tucano José Serra concorria à presidência com a presidenta Dilma,também  foi foi flagrado no  Paraná, pegando na mão de uma eleitora, mas  beijando a própria mão..
Um ano antes, em 2009, a Revista Piaui, divulgou uma mania de Serra. Ele costuma lavar as mãos com álcool depois de pegar na mão de eleitores (Leia aqui)
 Quanta diferença, hein!
Aécio não se mistura com pobre!...Será esse o motivo de Aécio ter construido seu próprio aeroporto?

terça-feira, 22 de julho de 2014

Empreiteira que fez aeroporto na fazenda do tucano doou para Aécio


Aécio Neves e seu afilhado político, Antonio Anastasia (PSDB), foram os únicos políticos que receberam recursos da empresa para a campanha eleitoral

A empresa responsável pelas obras no aeroporto de  Aécio em Cláudio (MG), Vilasa Construções Ltda., doou recursos para Aécio Neves (PSDB) em sua campanha à reeleição ao governo de Minas em 2006. A mesma empreiteira também desembolsou dinheiro quatro anos depois, para a campanha do afilhado político de Aécio, Antonio Anastasia (PSDB), que venceu a disputa pelo Estado e manteve os tucanos no comando de Minas.

As doações de R$ 67 mil para Aécio em 2006 e de R$ 20 mil a Anastasia em 2010 foram registradas na Justiça Eleitoral. Eles foram os únicos candidatos majoritários a receber recursos da Vilasa nas duas eleições. Aécio declarou na Justiça gastos de R$ 19,4 milhões naquela campanha. Anastasia declarou despesas de R$ 38 milhões em 2010.

O aeroporto  de Aécio na cidade de Cláudio foi construído pela Vilasa entre 2009 e 2010 em um terreno que já pertenceu a Múcio Tolentino, tio-avô do candidato à Presidência. A empresa foi contratada pelo governo estadual, que desapropriou a área antes da obra, mas os parentes de Aécio questionam o valor da indenização. A obra custou quase R$ 14 milhões.

A pista não tem autorização para ser usada, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mas, de acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo, parentes de Aécio dizem que ela recebe voos toda semana e o próprio candidato já fez uso dela. O aeroporto foi construído sobre uma antiga pista de terra batida aberta em 1983, quando Tancredo Neves, avô de Aécio, era governador e Múcio, seu tio-avô, prefeito de Cláudio. Informações  Estadão