Pages

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Atrasado, Estadão noticia bomba no colo de Alckmin: Propinão tucano aparece na Op. Lava Jato.

Nós publicamos aqui no dia 12, antes de todo mundo, a nota "Bomba no colo de Alckmin: Doleiro preso com Youssef recebeu dinheiro no esquema do propinão tucano da Siemens."

Ontem, no dia 16, com quatro dias de atraso, o jornal Estadão publicou discretamente esta mesma notícia.

Só que conseguiu a proeza de nem citar as palavras metrô, trens, tucanos, PSDB, governo Alckmin. Quando o acusado é tucano vira "agentes públicos brasileiros" no Estadão.


Nem mesmo a suave palavra "cartel" aparece, para o desavisado leitor não ligar o nome à pessoa.

O jornalão teve um súbita amnésia na hora de escrever a matéria, citando apenas "caso Siemens" como se o "caso Siemens" não fosse o escândalo das propinas pagas para obter contratos no metrô e trens nos governos tucanos, inclusive do atual governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP).


Que vergonha, Aécio: ANEEL desmente na TV propaganda enganosa da CEMIG



Essa notícia o novelão tucano chamado Jornal Nacional da TV Globo escondeu.

Os tucanos mineiros quiseram dar uma de malandros e colocaram na TV uma propaganda enganosa da Cemig (empresa de eletricidade controlada pelo governo de Minas), culpando o governo federal pelo aumento na conta de luz que a empresa é que exigiu.

A propaganda mentia, dizendo que a Cemig apenas cumpria a tarifa determinada pela ANEEL (Agencia Nacional de Energia Elétrica) do "governo federal".

A verdade é outra. A Cemig pede aumento e a ANEEL apenas autoriza o valor máximo que a Cemig pode cobrar, com base em cálculos de custos, para não haver abuso. A Cemig pode cobrar qualquer tarifa abaixo do máximo, se quiser.

No reajuste deste ano a Cemig pediu absurdos 29,74% de aumento. A ANEEL autorizou no máximo 14,24%, sendo que a Cemig poderia aplicar um reajuste menor, até este limite autorizado.

O desmentido se espalhou rapidamente nas redes sociais.

Ontem a Aneel veiculou na TV mineira propaganda de esclarecimento público desmentindo as informações falsas da Cemig. Vexame total dos tucanos. Se tivessem ficados quietos, não teriam dado esse tiro no pé.

Serviu para os cidadãos desavisados conhecerem como a tucanada é de fato, antes de serem enganados nas urnas.

Até o canal esportivo ESPN comentou:

Pesquisas internas do PSDB apontam crescimento de Padilha

Deu no Poder Online:
(....) As pesquisas internas do PSDB, por enquanto, apontam Alckmin com algo em torno de 40% das intenções de voto. Skaf hoje fica na faixa de 13%, de acordo com os tucanos. Mas Padilha já se aproxima do peemedebista, com 9%. Gilberto Kassab completa a lista, com 3%.
Humm... Alckmin "com algo em torno de 40%", em se tratando de uma pesquisa tucana, significa que ele está abaixo de 40%.

PF até agora não encontrou nada contra a Petrobras de fato. E agora, PIG?


A Polícia Federal apresentou o relatório da primeira parte da Operação Lava Jato, e até agora não encontrou nada que envolva a Petrobras de fato. Claro que outras investigações ainda estão em curso e pode ser que apareçam falcatruas de um ou outro mau funcionário.

Mas só esse fato já mostra o quanto o noticiário forçou a mão, atacando a Petrobras de forma leviana e politiqueira.

A própria revista Época acusou o golpe.

O departamento jurídico da Petrobras precisa passar um pente fino nas reportagens que atacaram a empresa com informações falsas ou injuriosas e exigir direito de resposta exemplar.

Nem é questão de política, é questão de boa gestão técnica que qualquer grande empresa, inclusive privada, que tem uma marca e reputação a zelar, faria.

Vox Populi confirma o triunfo de Dilma, que trabalha, sobre oposição que atrapalha


O novelão tucano nos telejornais da TV Globo, com enredo anti-Petrobras e anti-Dilma, não conseguiu mudar o quadro de intenções de votos.

A pesquisa Vox Populi, realizada entre os dias 6 e 8, mostrou o quadro estável, com Dilma vencendo com folga no primeiro turno.

Foi-se o tempo em que o eleitor era bobo. Quando os ataques são exagerados demais, o cidadão percebe. Vê quem trabalha e quem atrapalha.

Quem caiu nas pesquisas foi a audiência do novelão tucano chamado Jornal Nacional. Na sexta-feira bateu recorde negativo, ficando abaixo de 19 pontos na grande São Paulo.

Eduardo Campos e o calote em família aos cofres públicos do senado

O rolo da mãe do ex-governador Eduardo Campos (PSB), Ana Arraes, com apartamento do Senado continua.

Ana Arraes é ministra do TCU em Brasília e mora em um apartamento do Senado sem pagar a taxa de ocupação, que deveria pagar segundo a administração do Senado.

Eis a nota de Ilimar Franco sobre o assunto:

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Aécio busca apoio na dissidência do PMDB do Rio, mas só atrai 18 pessoas



O pré-candidato às eleições presidenciais Aécio Neves (PSDB-MG), apesar de ter residência no Rio de Janeiro, está com dificuldades para ter um palanque no estado. Com o PSDB fluminense carente há anos de uma liderança boa de voto – tentou lançar Bernardinho no ano passado – mas o técnico de vôlei declinou do convite. Sondou Fernando Gabeira (PV-RJ) que também não demonstrou interesse.O ex-prefeito Cesar Maia (DEM) tentou formalizar o apoio, mas Aécio, até o momento, o está.... Leia mais aqui

Polícia Federal flagra homem de confiança de Eduardo Campos pedindo dinheiro para Youssef


O ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e irmão do ex-ministro Fernando Bezerra, Clementino de Souza Coelho, foi flagrado pela Polícia Federal, durante a Operação Lava Jato, pedindo dinheiro ao doleiro Alberto Youssef. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Clementino presidiu a Codevasf por um ano, escolhido por seu irmão, que é homem de confiança do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, candidato do PSB à Presidência.

De acordo com a publicação, a PF encontrou em e-mails comprovantes de depósito em valores fracionados para "João", e também pedidos de dinheiro para "Maria" e "Fábio". Nas mensagens, números citados por Youssef como os dos CPFs dos favorecidos correspondem aos documentos de João Clementino de Souza Coelho e Maria Cristina Navarro de Brito, filho e mulher de Clementino, respectivamente. Segundo a polícia, "Fábio" é Fábio Leivas.

Em uma das mensagens, do dia 30 de janeiro de 2014, Clementino enviou a Youssef dados de uma conta bancária, e disse: "assim sendo fica: Fabio 30, Maria aprx (aproximadamente) 35, joao 60". No dia seguinte, o ex-presidente da Codevasf escreveu em nova mensagem: “por favor, assegure que as entregas serão feitas hoje ainda os 3 endereços fornecidos, sendo JOAO 60, FABIO 30 E MARIA OS 35...".

No dia 4 de fevereiro, Youssef enviou os dados bancários de João Clementino e Maria para um contato que, segundo a PF, seria um auxiliar do doleiro. Esse contato respondeu então "60.000,00" embaixo do nome de João e "35.289,00" embaixo de "Maria". Segundo o jornal, a PF apreendeu comprovantes de depósitos em nome de João Clementino, em diversos valores.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Rosa Weber manda Aécio aguardar sua decisão. Uma forma elegante de mostrar a porta da rua ao tucano.



Um bando de senadores demotucanos, encabeçado pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) resolveram ser inconvenientes e desrespeitosos com a independência entre poderes.

Tentaram "encostar a faca no pescoço" da ministra Rosa Weber, do STF, para pressioná-la a julgar ao gosto deles um Mandato de Segurança do qual ela é relatora e é do interesse politiqueiro deles sobre a disputa por CPI no Congresso. Fizeram um inconveniente pedido de audiência à ministra.

Segundo a agenda oficial da ministra, oito senadores pediram para ir "encostar a faca no pescoço". Apareceram lá com suas equipes de filmagem da TV Globo.

Pelo noticiário, a segurança do STF só deixou entrar uma comitiva de três senadores. Portanto, cinco podem ter sido barrados ou desconvidados a comparecer ou algo parecido, não sei ao certo.



Entraram só os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio Nunes (PSDB-SP) e José Agripino Maia (DEMos-RN).

Não entraram os senadores Álvaro Dias (PSDB-PR), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), Cristovam Buarque (PDT-DF), Pedro Simon (PMDB-RS).

Em pouco tempo a ministra despachou os três dizendo que só se pronunciará sobre o Mandato de Segurança a partir da próxima terça-feira. Foi uma forma elegante de mostrar a porta da rua para os demotucanos, pela inconveniência de vir querer constrangê-la em decisões do judiciário, usando inclusive a imprensa para criar um "clima de encostar a faca no pescoço" como provavelmente se verá esta noite no novelão tucano chamado Jornal Nacional.

Leia também:
- Rosa Weber poderia expulsar Aécio de seu gabinete ou dar voz de prisão se "encostar a faca no pescoço".

PT estadual protocola ação contra propaganda mentirosa da Cemig



Mentira no ar: Anúncio vinculado na TV pelos tucanos
O PT estadual protocolou na tarde da última segunda-feira (14), no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), representação contra a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) apontando o “tom eleitoreiro” da propaganda de TV da estatal que responsabiliza o Governo Federal pelo reajuste de 14,76% na conta de luz. 

A ação pede a interrupção da campanha publicitária e a aplicação de multa, a ser definida pela Justiça. O anúncio do aumento da tarifa foi no dia 7 de abril, sob a alegação de que houve correção de preços das Usinas de Itaipu e Angra, além de maior participação das termelétricas nos contratos de energia. Na propaganda da Cemig, um ator contratado diz que a conta de luz mais cara foi aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e que a distribuidora apenas cumpriu a decisão. 

Segundo o presidente do PT, Odair Cunha, serão protocoladas novas representações nos próximos dias. “É uma propaganda falsa, por uma questão simples: quem pede o reajuste para a Aneel é a distribuidora, no caso, a Cemig. Eles pediram quase 29% (leia aqui)  e a Aneel autorizou cerca de 14%, mas se a Cemig tivesse mais compromisso com Minas, em vez de atender interesses de seus acionistas, não concederia nem mesmo 1% de aumento”, disse.

 De acordo com nota emitida no domingo pelo PT estadual, o pedido da Cemig de aumento de cerca de 30% na conta de luz foi feito na semana em que a companhia anunciou um lucro de R$ 3,1 bilhões, referente a 2013. 

Se quiser, Cemig pode aplicar desconto na tarifa de consumidores, diz Aneel

 O diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Romeu Rufino, convocou uma entrevista coletiva hoje para explicar como é feito o processo de reajuste das tarifas de energia elétrica.

A explicação detalhada ocorre  após a divulgação de um anúncio publicitário, por parte da Cemig --estatal de energia de Minas Gerais, governada desde 2003 por uma aliança comandada pelo PSDB-- na qual aponta o governo federal como responsável pelo aumento da tarifa de luz local. O reajuste autorizado pela Aneel foi de 14%. 

Na propaganda, o ator Jonas Bloch diz: "A tarifa da Cemig não é decidida pela Cemig". Quem define, afirma, "é um órgão do governo federal, a Aneel [Agência Nacional de Energia Elétrica], que fica lá em Brasília". E segue: "E o governo federal, por meio da Aneel, acaba de determinar um reajuste da nossa conta de energia elétrica da ordem de 14%". 

De acordo com Rufino, além da distribuidora ter participação intensa no processo de reajuste, ela ainda é responsável por encaminhar um pleito de aumento para a agência reguladora. No caso da empresa mineira, o pedido feito pela empresa era ainda maior do que o autorizado.

"O processo se dá por um pedido da concessionária, no caso da Cemig algo em torno de 29,7%. A Aneel entendeu que esse reajuste seria da ordem de 14%. Essa é a realidade dos fatos, se a Cemig ou qualquer outra divulga de maneira diferente disso, não temos relação com isso", disse Rufino. 

Ainda segundo Rufino, a Cemig tem liberdade para aplicar um aumento menor que o autorizado.
 
"A distribuidora tem a prerrogativa, se desejar praticar um preço menor, de conceder desconto. Algumas empresas já fizeram isso. Ela só não pode privilegiar ninguém, tem de dar desconto a todos". 

Deputado do PMDB usa carro oficial, pago com dinheiro público, em evento de apoio a Aécio no Rio



O presidente da Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa, Marcelo Simão, do PMDB, usou o carro oficial do Poder Legislativo, número 065, para ir ao jantar de apoio ao tucano Aécio Neves, na noite de segunda-feira, em um restaurante do Jardim Botânico, zona sul do Rio. O carro, estacionado na calçada, ficou esperando o deputado até pouco antes da meia-noite. As informações são do jornal O Estado de São Paulo

De acordo com o jornal, o  uso de carro oficial para fins particulares, inclusive partidários, é vedado pela lei federal 8429, de improbidade, e pela lei eleitoral 9504/97. "Em tese, a conduta se enquadra tanto na lei de improbidade como em duas modalidades de ilícito da lei eleitoral", afirmou a professora de direito eleitoral da Fundação Getúlio Vargas no Rio, Silvana Batini.

Ela se refere aos incisos 1 e 2 do artigo 73, da lei 9504, que tratam das condutas vedadas. O primeiro proíbe o uso, em benefício de candidato, partido político ou coligação de "bens imóveis" (carros oficiais) que pertençam à administração direta ou indireta dos Estados. O segundo veda o uso de materiais ou serviços das Casas Legislativas que "excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos".

"A lei eleitoral não se aplica somente ao período de três meses de campanha. O conceito de período eleitoral é mais amplo, já estamos em pré-campanha. Esse conceito vem sendo ampliado pela jurisprudência", afirmou Silvana. As duas leis preveem sanções que vão desde o pagamento de multa à perda do mandato ou cancelamento do registro eleitoral, dependendo da gravidade do fato.

Graça Foster desmente novelão tucano da Globo anti-Petrobras. Jurídico tem que exigir direito de resposta.

Em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no Senado, a presidenta da Petrobras Graça Foster já desmentiu mais da metade dos ataques sofridos pela Petrobras no Jornal Nacional, em sintonia com a agenda da oposição.

Apesar da compra anterior a entrada da Petrobras na refinaria de Pasadena ser um negócio entre duas empresas privadas, ao qual a empresa brasileira não tem ingerência, Graça Foster disse que, com base em informações públicas de mercado e de balanços, a compra anterior da Petrobras não foi de US$ 42,5 milhões. Pelos levantamentos, foi de pelo menos US$ 360 milhões.

O Jornal Nacional da TV Globo, assim como outros telejornais, jornais e revistas, cansaram de mentir sobre o custo ser de US$ 42,5 milhões, inclusive com infográficos repetidos várias vezes. Pois é hora do departamento jurídico da Petrobras exigir direito de resposta para desmentir, com direito ao mesmo tempo, ao mesmo espaço e a mesma linguagem infográfica usada para espalhar a mentira.

Leia também:
- A Globo é grande, mas a Petrobras é maior. Precisa exigir direito de resposta exemplar.

Eduardo Campos e a mamata em família com dinheiro público.

Deu na coluna do Ilimar Franco:

A ministra do TCU, Ana Arraes, mãe de Eduardo Campos (PSB), mora de graça num imóvel do Senado desde agosto de 2012. Em maio de 2013, o Senado decidiu cobrar aluguel dos apartamentos ocupados por pessoas que não são de seus quadros. A ministra, que tem a tarefa de fiscalizar os gastos alheios, não se dispôs a pagar pelo uso do imóvel.

Rosa Weber poderia expulsar Aécio de seu gabinete ou dar voz de prisão se "encostar a faca no pescoço".


É um absurdo o senador Aécio Neves falar à imprensa que vai em comitiva de parlamentares demotucanos ao STF nesta terça-feira para pressionar a ministra Rosa Weber a votar do jeito que ele quer em uma causa sobre CPI que ele impetrou.

Ora, se eu fosse juiz eu mostrava a porta da rua e expulsava a cambada do meu gabinete.

Lugar de fazer lobbie e política é no Congresso Nacional. Juízes tem que julgar com independência e de acordo com as leis.

Onde já se viu um senador querer dar "carteirada" no judiciário ou, na maior cara de pau, querer "encostar a faca no pescoço", metaforicamente, como disse o ministro Lewandovsky.

Aliás, conforme o tom, se descambar para o lado da chantagem ou ameaça, é caso até de dar voz de prisão em flagrante.

Dilma inaugura adutora para combater a seca em Pernambuco e Paraíba. Bem diferente de Alckmin que não investiu.



Depois de visitar Ipojuca, em Pernambuco, para inaugurar navios na segunda-feira, a presidenta Dilma foi até Serra Talhada para entregar o último trecho da primeira etapa da Adutora do Pajeú, que já beneficia mais de 177 mil pessoas com o abastecimento de água potável vinda do rio São Francisco.

Quanta diferença entre o jeito de governar de Dilma e do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP). Enquanto Dilma investe para a população do semi-árido ter água com segurança, o governador tucano deixou de investir em São Paulo deixando faltar água para a população.

Em Ipojuca, a festa foi da viagem inaugural do navio Dragão do Mar e do batizado de outro navio, o Henrique Dias, os dois construídos em Ipojuca (PE) por trabalhadores pernambucanos.