Pages

sábado, 22 de novembro de 2014

Veja bate recorde de capa mais idiota. Só prova honestidade de Dilma.

A revista Veja desta semana deu mais um vexame e corre o risco de entrar para o livro dos recordes como a reportagem mais idiota do mundo.

Querendo derrubar Dilma, só provou a honestidade da presidenta. Pois a revista e seus vazadores vasculharam, procuraram coisas no material da Operação lava-jato e só conseguiram achar um email sem nada suspeito, de Paulo Roberto Costa para Dilma, em 2009, quando ela era ministra da Casa Civil e ele era diretor da Petrobras.

Até os assinantes burros da Veja (para continuar assinando a Veja tem que ser muito burro), se lerem o email com objetividade chegarão à conclusão:

1) O email não tem nada de mais, nem nada suspeito. Poderia ser publicado no Diário Oficial, como um ofício qualquer de um órgão para outro.

2) O conteúdo do email apenas encaminha para Dilma cópia do relatório do TCU que recomendava paralisação de obras em refinarias. O relatório é público, não contendo nenhum segredo, e foi enviado tanto à Petrobras como a própria Casa Civil recebeu também diretamente do TCU.

3) Só mostra que Dilma é honesta, trabalhadora e exigente em ser informada sobre qualquer coisa que afetasse o cronograma das obras do PAC que seu ministério acompanhava na época. Um diretor recebeu um relatório que poderia afetar o andamento e encaminhou como, provavelmente, deveriam fazer todos os funcionários que tivessem responsabilidade sobre o andamento de obras.

4) O email usou endereço oficial de trabalho da Petrobras para o endereço oficial de trabalho da Casa Civil no Palácio do Planalto.

5) Foi enviado por uma funcionária de Paulo Roberto a pedido dele e endereçado para o então chefe de gabinete da Casa Civil, com cópia para o endereço genérico do gabinete da Casa Civil, que deve ser processado por funcionários. Portanto não se trata de qualquer comunicação sigilosa, nem pessoal.

6) O texto mostra que Paulo Roberto Costa não tinha a menor proximidade com Dilma, pelo tratamento formal.

Eis a íntegra transcrita do e-mail, segundo a Veja:
De: lucosta@petrobras.com.br Em nome de pcosta@petrobras.com.br
Enviada em: terça-feira, 29 de setembro de 2009 19:53
Para: pedro.dalcero@planalto.gov.br; gabinetecasacivil@planalto.gov.br
Assunto: TCU. FISCOBRAS 2009 – OBRAS COM RECOMENDAÇÃO DE PARALISAÇÃO. Situação da REPAR, Refinaria Abreu e Lima e Construção de terminal de granéis líquidos no porto de Barra do Riacho/ES.
.
Senhora Ministra Dilma Vana Rousseff,
.
Seguem em anexo os dados do TCU (FISCOBRAS 2009) com a recomendação de paralisação de três obras do Abastecimento:
.
1) RNEST (Refinaria Abreu e Lima em Pernambuco);
2) REPAR (Refinaria Getúlio Vargas, no Paraná) e
3) Terminal de granéis líquidos no Espírito Santo – Obra do Plangás (GLP).
.
Conforme consta na nota, os processos são preliminares, não representando a posição final do TCU, assim como o TCU está enviando a CMO (Comissão Mista de Orçamento) do Congresso Federal, a quem compete a paralisação ou não das obras.
.
No ano de 2007, o TCU propôs a paralisação de quatro obras da Petrobras, não tendo tal posicionamento sido ratificado pelo Congresso Nacional.
Como se vê, não há nada no email que indique maracutaia.

A Veja trata seus leitores como sendo tão burros, que "interpreta" o email como se o próprio Paulo Roberto Costa estivesse se auto-denunciando na época.

A Presidência da República emitiu a seguinte nota sobre a revista:

Nota à imprensa sobre reportagem da revista Veja

A reportagem de capa da revista Veja de hoje é mais um episódio de manipulação jornalística que marca a publicação nos últimos anos.

Passadas as eleições, jornalão desmente factóide contra Padilha.

Logo que Alexandre Padilha começou a incomodar com sua candidatura a governador de São Paulo, vasculharam a vida dele, da família dele, do cachorro de estimação, ofereceram "delação premiada ao papagaio da vizinha" (ironia, hein gente) e tudo o que fosse imaginável.

Como não acharam nada, choveram factóides. Um deles foi sobre um convênio com a ONG Koinonia para um programa de prevenção da Aids entre jovens nas comunidades onde a entidade atua há anos.

O convênio nem havia sido executado, nenhum pagamento foi feito, não havia nenhuma irregularidade para ser denunciada, mas nosso "glorioso" PIG (Partido da Imprensa Golpista) demonizou a instituição porque, além de ser dedicada a trabalhos com pobres e pretos, um dos fundadores foi Anivaldo Padilha, pai do então ministro da Sáude. Isso mesmo sabendo que Anivaldo já não fazia mais parte da direção da entidade desde 2009.

Agora, depois de passadas as eleições, com Alckmin reeleito governador de São Paulo e Aécio derrotado por Dilma, surge essa notinha bem pequena na coluna do jornalista Ilimar Franco de "O Globo":
Barra limpa - O TCU decidiu que todos os convênios da ONG Koinonia são legais. O ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha está aliviado. O seu pai, Anivaldo, foi um dos fundadores da instituição. A investigação foi feita a pedido do PSDB paulista.
O que os jornalões paulistas Folha e o Estadão, que fizeram manchetes espalhafatosas durante dias, que funcionaram como campanha para Alckmin e Aécio, tem a dizer?

Propinas começaram no governo FHC, afirma Fernando Soares


Jornal carioca afirma: Lava Jato: campanha de Aécio teria levado dinheiro sujo

Fernando Antonio Falcão Soares, conhecido como Fernando Baiano disse à Polícia Federal que começou a fazer negócios com a Petrobrás no governo Fernando Henrique Cardoso. "Por volta do ano de 2000, ainda durante a gestão Fernando Henrique, celebrou um contrato com uma empresa espanhola, de nome Union Fenosa, visando a gestão de manutenção de termelétricas",a empresa acabou sendo contratada, disse em depoimento o empresário

Com esse depoimento, é a segunda vez que aparece as digitais do PSDB na propina da Petrobras. A primeira,  também foi outro empresário  que denunciou: O dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse em depoimento à Polícia Federal que tinha contato mais próximo com o arrecadador de campanha do PSDB, o Doutor Freitas (Leia aqui)

Fernando Soares afirmou que quando intermediou seu primeiro contrato com a Petrobrás, no governo FHC,o País vivia"o apagão da energia" e a estatal buscava parceiros internacionais "na área de produção de energia e gás". Segundo ele, técnicos brasileiros foram à Espanha na época para conhecer a tecnologia da empresa que ele representava.

A Policia Federal declarou que  suspeita que o reduto de ação de Fernando Baiano na Petrobrás era a área Internacional, que foi comandada por Nestor Cerveró. Ele disse que conheceu Cerveró "ainda no governo Fernando Henrique". Na ocasião, segundo ele, Cerveró era gerente da Petrobrás.

Soares,declarou que "soube recentemente" que Cerveró foi uma "indicação política" do PMDB, mas que achava que o ex-diretor de Internacional "sempre fosse vinculado ao PT", e não era. Fernando Baiano disse que "soube que o diretor que assumiu o cargo no lugar de Cerveró era indicação do PMDB".

Ele declarou que recebeu o doleiro Alberto Youssef no Rio de Janeiro "apedido" do então diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa. O encontro, segundo Fernando Baiano, ocorreu "logo após a morte do deputado José Janene".

Sobre o doleiro Alberto Youssef - alvo central da Operação Lava Jato - Fernando Baiano disse que ele lhe pediu que "fizesse doações para campanhas políticas".O mais interessante é que tanto a Polícia Federal, como o juiz que estava presente no interrogatório, não perguntou para quais  campanha e nem para quais partidos

O doleiro, segundo Fernando Baiano, teria sugerido que "alguma empresa" por ele representada também fizesse doações de campanha. O operador do PMDB negou que tivesse repassado valores para Youssef.


Jornal O Povo do Rio: Lava Jato: campanha de Aécio teria levado dinheiro sujo

A Operação Lava Jato jogou luzes sobre o personagem que arrecadava recursos para o PSDB, na campanha presidencial de 2014, do senador Aécio Neves (PSDB-MG), junto a grandes empreiteiras.

Trata-se de Sérgio de Silva Freitas, executivo egresso do banco Itaú. Seu nome apareceu no depoimento de Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, à Justiça Federal.

 "Dr. Freitas", um personagem que não consta como tesoureiro oficial do PSDB, mas que circula nas sombras da arrecadação de campanhas - oficialmente, o tesoureiro da campanha de Aécio foi o ex ministro de FHC José Gregori.

"Dr. Freitas" foi ouvido em reportagem desta sextafeira dos jornalistas Aguirre Talento, Gabriel Mascarenhas e Rubens Valente, da Folha de S. Paulo.

Ele admite ter procurado o empreiteiro, mas nega qualquer pedido de recursos. Diz que foi lá só para tentar convencê-lo a doar.

"Era um grupo de pessoas que fazia isso para o partido. Normalmente. Assim como foi feito com todos os doadores", disse.

"Os integrantes desse grupo são todos ligados ao partido, todo mundo se esforçou por isso, eu sou um de muitos", disse "Dr. Freitas".

Aparentemente, o "convencimento" deu certo. Segundo dados da Justiça Eleitoral, nas eleições de 2014 a UTC doou R$ 2,5 milhões ao comitê do PSDB para presidente e mais R$ 4,1 milhões aos comitês do partido em São Paulo e em Minas Gerais, além de R$ 400 mil para outros candidatos tucanos.

Leia também: Polícia Federal chega no 'Doutor Freitas' e Aécio Neves desaparece

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Polícia Federal chega no 'Doutor Freitas' e Aécio Neves desaparece


Após depoimentos de executivos que fizeram acordos de delação premiada afirmando que existia um 'clube' de empreiteiras que fraudava licitações e pagava propinas, misteriosamente o tucano sumiu da imprensa

 Depois de muita enrolação, com direito a manchete do tipo: “Doações de investigadas na Lava Jato priorizam PP, PMDB, PT e outros”, para não citar PSDB, apareceu o Doutor Freitas. Notinhas tímidas, em letras miúdas, no rodapé de  páginas dos grandes jornais informam que  o dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse em depoimento à Polícia Federal que tinha contato mais próximo com o arrecadador de campanha do PSDB, o Doutor Freitas, Sérgio de Silva Freitas, ex-executivo do Itaú que atuou na ..Leia mais aqui

Dilma escolhe Armando Monteiro para ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio



O senador Armando Monteiro (PTB-PE) que  se reuniu nesta sexta-feira (21) com a presidente Dilma e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, no Palácio da Alvorada em Brasília, é o novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio

O nome de Monteiro  foi escolhido para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), por ser ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Deputado do PSDB mais rico do Brasil diz ser pobre e pede para não pagar R$ 910


A Justiça negou o pedido de benefício de assistência judiciária integral e gratuita feito pelo deputado federal Alfredo Kaefer (PSDB). O deputado estava respondendo a um processo judicial, foi condenado, e deve arcar com todos os custos do processo que inclui, por exemplo, o pagamento de honorários dos advogados das partes envolvidas.Kaefer, é  o deputado federal mais rico eleito em 2014, disse à Justiça que não tem como pagar as custas, no valor de R$ 910.

De acordo com a decisão publicada na quarta-feira (19), o deputado não se manifestou dentro do prazo estabelecido e também não comprovou que o pagamento das custas causaria desequilíbrio financeiro ou atingiria a manutenção das necessidades da família.

A juíza da 1ª Vara Cível de Cascavel, no oeste do Paraná, Gabrielle Britto de Oliveira, indeferiu o pedido afirmando que Kaefer usou de má fé, já que ele é um dos proprietários de uma empresa frigorífica com filiais em vários estados. “Não é crível que o embargante [Alfredo Kaefer], com patrimônio declarado de mais de 100 milhões de reais, teria sua situação financeira abalada pelo pagamento das custas do processo. Seria, no mínimo, total falta de bom senso acreditar nisso”, escreveu.

Na decisão, a juíza aponta que "a fim de justificar o requerimento para concessão do benefício, o embargante alega que, na condição de avalista dos contratos de sua empresa, vem sofrendo diversas cobranças judiciais tendo que arcar com muitas custas processuais. Aduz, ainda, que a única renda que obtém é a do cargo público que ocupa e que o pagamento destas custas importaria em um desiquilíbrio financeiro que atingiria a manutenção das necessidades da família". 

De acordo com a Câmara dos Deputados, a remuneração mensal bruta dos deputados federais é de R$ 26.723,13.Kaefer tem o prazo de dez dias após o recebimento da notificação, para pagar, em até dez vezes, as custas do processo. Informações do G1

Lula: Para a oposição e imprensa, disputa eleitoral ainda não acabou


O ex-presidente Lula disse ontem  que para  a oposição a e a imprensa a disputa eleitoral ainda não acabou. Lula defendeu a presidente Dilma  e afirmou que o segundo mandato  da presidente será uma "surpresa" e que Dilma vai  fazer o melhor governo do país.

Lula afirmou que a presidente dará um "show" nos próximos quatro anos. "Tenho a convicção de que aqueles que estão atacando a presidente Dilma - e parece que as eleições não acabaram ainda - vão ter uma surpresa com o segundo mandato. Vão ter uma surpresa extraordinária porque ela sabe que tem que fazer o melhor governo desse país", disse Lula, ao discursar no evento do Cultivando Água Boa, programa de sustentabilidade desenvolvido pela Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu (PR).

Lula teve dois encontros com Dilma em Brasília, para discutir o segundo mandato, a escolha dos novos ministros - especialmente o da Fazenda

 Lula lembrou das dificuldades enfrentadas em seu primeiro mandato, marcado pelo mensalão. "Não foi fácil. Tentaram até falar em impeachment para mim. Eu disse a eles: "Vocês querem impeachment? Nós vamos disputar é na rua. Vamos para a rua conversar com o povo"", afirmou. O ex-presidente reclamou dos adversários e disse que eles "têm que aprender a respeitar o resultado das urnas".

"As pessoas precisam parar de achar que democracia só existe quando eles governam o país".

Lula disse ainda que Dilma é vítima do preconceito de classe, por promover políticas públicas voltadas para os mais carentes. "O ódio demonstrado contra a presidente Dilma não é porque em nenhum momento ela prejudicou o sistema financeiro, os empresários. O ódio é exatamente porque a filha do pequeno agricultor está virando doutora neste país. É porque um catador de papel já não anda mais de cabeça baixa como se fosse um cidadão de quinta categoria." Em novos ataques aos meios de comunicação, o ex-presidente afirmou que a "televisão brasileira prefere mostrar as coisas que não deram certo nesse país" e que a "imprensa tem predileção para anunciar desgraça".

Lula sinalizou que pretende se manter na vida política e, em tom de brincadeira, disse que tem pedido em suas orações por mais alguns anos de vida. "Tenho conversado com Deus todo dia: "Ó, o céu pode ser muito bom, mas quero ficar na Terra mais um pouco. Pode ir levando quem você quiser, mas me deixa aqui um pouco mais, porque acho que temos coisa para fazer neste país." 

Depois da visita a Foz do Iguaçu, Lula cancelou a agenda que teria no Uruguai, por conta da morte do ex-ministro da Justiça de seu governo Márcio Thomaz Bastos, e voltou para São Paulo para o velório e enterro do criminalista. Visivelmente abalado, Lula pediu um minuto de silêncio no evento.

Nunca se roubou tão pouco, diz empresário tucano


Empresário do  PSDB, afirma que a coisa já foi pior.Propina na Petrobras foi cobrada nos anos 70 80 e 90,diz empresário tucano Ricardo Semler.'Era impossível' não pagar.

Não sendo petista, e sim tucano, sinto-me à vontade para constatar que essa onda de prisões de executivos é um passo histórico para este país

Nossa empresa deixou de vender equipamentos para a Petrobras nos anos 70. Era impossível vender diretamente sem propina. Tentamos de novo nos anos 80, 90 e até recentemente. Em 40 anos de persistentes tentativas, nada feito.

Não há no mundo dos negócios quem não saiba disso. Nem qualquer um dos 86 mil honrados funcionários que nada ganham com a bandalheira da cúpula.

Os porcentuais caíram, foi só isso que mudou. Até em Paris sabia-se dos "cochons des dix pour cent", os porquinhos que cobravam 10% por fora sobre a totalidade de importação de barris de petróleo em décadas passadas.

Agora tem gente fazendo passeata pela volta dos militares ao poder e uma elite escandalizada com os desvios na Petrobras. Santa hipocrisia. Onde estavam os envergonhados do país nas décadas em que houve evasão de R$ 1 trilhão --cem vezes mais do que o caso Petrobras-- pelos empresários?

Virou moda fugir disso tudo para Miami, mas é justamente a turma de Miami que compra lá com dinheiro sonegado daqui. Que fingimento é esse?

Vejo as pessoas vociferarem contra os nordestinos que garantiram a vitória da presidente Dilma Rousseff. Garantir renda para quem sempre foi preterido no desenvolvimento deveria ser motivo de princípio e de orgulho para um bom brasileiro. Tanto faz o partido.

Não sendo petista, e sim tucano, com ficha orgulhosamente assinada por Franco Montoro, Mário Covas, José Serra e FHC, sinto-me à vontade para constatar que essa onda de prisões de executivos é um passo histórico para este país.

É ingênuo quem acha que poderia ter acontecido com qualquer presidente. Com bandalheiras vastamente maiores, nunca a Polícia Federal teria tido autonomia para prender corruptos cujos tentáculos levam ao próprio governo.

Votei pelo fim de um longo ciclo do PT, porque Dilma e o partido dela enfiaram os pés pelas mãos em termos de postura, aceite do sistema corrupto e políticas econômicas.

Mas Dilma agora lidera a todos nós, e preside o país num momento de muito orgulho e esperança. Deixemos de ser hipócritas e reconheçamos que estamos a andar à frente, e velozmente, neste quesito.

A coisa não para na Petrobras. Há dezenas de outras estatais com esqueletos parecidos no armário. É raro ganhar uma concessão ou construir uma estrada sem os tentáculos sórdidos das empresas bandidas.

O que muitos não sabem é que é igualmente difícil vender para muitas montadoras e incontáveis multinacionais sem antes dar propina para o diretor de compras.

É lógico que a defesa desses executivos presos vão entrar novamente com habeas corpus, vários deles serão soltos, mas o susto e o passo à frente está dado. Daqui não se volta atrás como país.

A turma global que monitora a corrupção estima que 0,8% do PIB brasileiro é roubado. Esse número já foi de 3,1%, e estimam ter sido na casa de 5% há poucas décadas. O roubo está caindo, mas como a represa da Cantareira, em São Paulo, está a desnudar o volume barrento.

Boa parte sempre foi gasta com os partidos que se alugam por dinheiro vivo, e votos que são comprados no Congresso há décadas. E são os grandes partidos que os brasileiros reconduzem desde sempre.

Cada um de nós tem um dedão na lama. Afinal, quem de nós não aceitou um pagamento sem recibo para médico, deu uma cervejinha para um guarda ou passou escritura de casa por um valor menor?

Deixemos de cinismo. O antídoto contra esse veneno sistêmico é homeopático. Deixemos instalar o processo de cura, que é do país, e não de um partido.

O lodo desse veneno pode ser diluído, sim, com muita determinação e serenidade, e sem arroubos de vergonha ou repugnância cínicas. Não sejamos o volume morto, não permitamos que o barro triunfe novamente. Ninguém precisa ser alertado, cada de nós sabe o que precisa fazer em vez de resmungar.

RICARDO SEMLER, 55, empresário, é sócio da Semco Partners. - Artigo na Folha

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Nem TCU escapa dos males do financiamento de empresas a campanhas eleitorais.

Ministros do tribunal de contas que já tiveram campanhas eleitorais custeadas por empresas encrencadas no próprio tribunal enfrentam situações conflitantes com os fundamentos republicanos.
(...)
Vejamos um exemplo: o atual presidente do TCU, Augusto Nardes, era deputado do PP no ano de 2004 e vice-presidente nacional do partido que apoiou a nomeação do ex-diretor Paulo Roberto Costa na Petrobras. 
(...)
a coluna "Painel" da Folha de S.Paulo noticiou "(...) Em 2005, quando Severino Cavalcanti (PP-PE) presidia a Câmara, Costa atuou para instalar o ex-deputado Augusto Nardes no TCU. Pelo gabinete do ministro transitam processos que envolvem a Camargo [Correa]".
(...)
Em 2004, quando era deputado, Nardes respondeu à Ação Penal 363 no STF. Motivo: financiamento de campanha. Leia mais aqui.

Operação Plateias da PF pega primo de Marconi Perillo (PSDB) e o tucano Expedito Júnior

O ex-senador e dirigente do PSDB, Expedito Junior (RO), estão entre os investigados.

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta quinta-feira, 20, mandado de condução coercitiva do governador de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB). Ele foi levado a prestar depoimento na Superintendência da PF no Estado. A ação da PF ocorre dentro da Operação Plateias que investiga desvio de verbas públicas e direcionamento de licitações.

O primo  do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o empresário Marcelo Reis Perillo, também foi levado pela Polícia Federal, nesta quinta-feira, 20 para prestar depoimento sobre denúncia de participação em esquema de corrupção que teria desviado R$ 57 milhões do governo de Rondônia.

A investigação, iniciada em 2012, apurou que empresas interessadas em participar nos processos licitatórios no Estado precisavam doar financeiramente, formal ou informalmente, para campanhas eleitorais. As licitações eram direcionadas para serem vencidas por empresas do esquema. Foi criado até um "fundo da propina", que chegava a movimentar R$ 2 milhões por mês. Os contratos corrompidos ocorreram em secretarias da Saúde e Justiça, entre outras, e superam R$ 290 milhões.

Trata-se da maior operação da Polícia Federal nos últimos anos em número de mandados. Aproximadamente 300 policiais cumprem 193 mandados judiciais: 163 de condução coercitiva; 26 de buscas; e quatro de prisão temporária. A Operação Lava Jato,  por exemplo, cumpriu 85 mandados judiciais na sétima etapa da investigação.

Os mandados da Operação Plateias são cumpridos em Rondônia, Acre, Amazonas, Bahia, Goiás, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e no Distrito Federal. Uma das conduções coercitivas ocorre na Espanha. Em Brasília, foi presa a pessoa que distribuiria o dinheiro da corrupção. O nome ainda não foi divulgado.

Tucano Expedito Júnior também é investigado em Rondônia

O dirigente do PSDB no Estado de Rondônia e ex-senador Expedito Júnior, que disputou o segundo turno das eleições para o governo local neste ano, também é investigado na Operação Plateias, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira, 20. A PF cumpre mandado de busca e apreensão na casa dele e também há mandado de condução coercitiva para que Expedito Júnior preste depoimento sobre as denúncias do esquema criminoso, formado por lobistas e agentes públicos para desviar verbas públicas e direcionar licitações no Estado.

A defesa do ex-senador informou à PF que ele está em uma fazenda dele na cidade Ji-Paraná e que irá se apresentar à polícia no município. Expedito Júnior disputou o segundo turno para o governo de Rondônia com o governador reeleito, Confúcio Moura (PMDB), também investigado na operação Agência de Notícias Estadão

E a presidenta Dilma disse hoje: 'Combate à corrupção nunca foi tão firme e severo'

Leia também. Em 2010: MP investiga rombo de primo do senador Marconi Perillo (PSDB-GO), em contratos na Saúde da gestão José Serra (PSDB)

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Foi sem querer querendo? PF diz que errou ao citar nome de diretor da Petrobras em depoimentos


O erro só acontece contra o PT..?

A Polícia Federal informou nesta quarta-feira (19) que o nome do atual diretor de Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza, apareceu em depoimentos dos presos da Operação Lava Jato por "erro material"

Segundo a polícia, não há no processo "qualquer elemento que evidencie a participação do atual diretor no esquema de distribuição de vantagens ilícitas". Veja a explicação:“ Cumpre esclarecer que não há, até o momento, nos autos, qualquer elemento que evidencie a participação do atual diretor no esquema de distribuição de vantagens ilícitas no âmbito da Petrobrás”, afirmou o delegado em resposta encaminhada a Sergio Moro nesta quarta.



O texto do ofício, porém, não nega diretamente que o ex-diretor Paulo Roberto Costa ou que o doleiro Alberto Youssef tenham citado Cosenza em depoimentos e que possam estar anexados a outros processos judiciais.

O ofício afirma que não há informações "nos autos", mas não explicita se uma citação possa ter ocorrido em outros processos ou inquéritos que correm paralelos ao procedimento que levou à prisão executivos de grandes empreiteiras na última sexta (14).

Em pelo menos cinco depoimentos de executivos, a PF fez perguntas nas quais afirmou que o ex-diretor Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef haviam dito que Cosenza estava entre os beneficiários de "comissões".

Ao funcionário da OAS Construtora, José Ricardo Nogueira Breghirolli, por exemplo, a PF indagou: "Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef mencionaram a existência de pagamento de comissões pelas empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobras, tendo como beneficiários além deles próprios, os direitores Duque, Cerveró e Cosenza, bem como alguns agentes públicos".

A mesma pergunta, com ligeiras variações, foi feita a outros quatro investigados.

Em ofício ao juiz na data de hoje (19), o delegado da PF responsável pela operação, Márcio Adriano Anselmo, afirmou: "Em relação ao quesito que figurou em alguns interrogatórios, por erro material, constou o nome de Cosenza em relação a eventuais beneficiários de vantagens ilícitas no âmbito da Petrobras. Em relação ao outro quesito em que se questiona se os investigados conhecem o mesmo, foi formulado apenas em razão do mesmo ter sucedido a Paulo Roberto Costa, área em que foram identificados os pagamentos, bem como por ter sido seu Gerente Executivo".

No final do ofício, o delegado Anselmo argumentou que a menção de pagamentos após a saída de Costa refere-se a pagamentos realizados pelas empreiteiras para as empresas de fachada de Youssef e a formalização de contratos fictícios com Paulo Roberto Costa.

A resposta da PF foi dada após um questionamento do juiz Moro, que intimou a polícia "para esclarecer se, de fato, há alguma prova concreta nesse sentido, uma vez que até o momento este juízo não foi informado de nada". Ele referia-se à presença de elementos que tratassem de Cosenza no inquérito. Informações Uol

O nome de Cosenza, que sucedeu o ex-diretor Paulo Roberto Costa após sua saída em 2012, foi mencionado por policiais durante os interrogatórios dos executivos presos na sétima fase da Lava Jato, na última sexta-feira, 14. O fato chamou a atenção do juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato na Justiça Federal do Paraná, que pediu explicações à PF sobre o envolvimento de Cosenza, que até agora não consta nos autos da Justiça Federal.

Antes da Policia Federal admitir que "errou" a manchete nos jornais era essa:
Precisou o juiz questionar a PF se Cosenza havia sido acusado de participação para acordar os responsáveis pelo interrogatório por que o nome dele aparecia na imprensa e nada consta no processo. Erros podem ocorrer, mas antes de vazar para a mídia, deviam checar muito bem. E agora, quem vai limpar o nome do diretor da Petrobras?

Desemprego tem a menor taxa para outubro desde 2002, e renda cresce


O desemprego caiu a 4,7 por cento no mês passado, menor nível para outubro, ao mesmo tempo em que a renda média do trabalhador cresceu e a ocupação no mercado de trabalho cresceu

Em setembro passado, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, a taxa de desemprego havia ficado em 4,9% em setembro. 

No mês passado, a população ocupada cresceu 0,8%  sobre setembro, chegando a 23,278 milhões de pessoas, enquanto que a desocupada caiu 3,5% na comparação mensal, atingindo 1,142 milhão de pessoas.

O IBGE informou ainda que a renda média real subiu 2,3% em outubro sobre setembro e 4% sobre um ano antes, a 2.122,10 reais.

Pelos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgados recentemente pelo IBGE, no segundo trimestre a taxa de desemprego no Brasil havia caído para 6,8%  No primeiro trimestre do ano, o indicador havia ficado em 7,1%

Rendimento médio aumenta 

Salários

O salário médio dos ocupados subiu 2,3% em relação a setembro e bateu R$ 2.122,10, é o maior da série histórica, que tem início em março de 2002. Na comparação com outubro de 2013, subiu ainda mais, 4,0%.

Em comparação com outubro de 2013, o rendimento médio apresentou aumento em todas as regiões. Rio de Janeiro, com 8,6%, e Recife, 8,4%, apresentaram as maiores variações.

O rendimento em Porto Alegre caiu 1,8% em relação a setembro, cresceu 9,7% em Salvador, 4,6% em Belo Horizonte, 0,8% no Rio de Janeiro, 2,8% em São Paulo e não teve alteração em Recife.

Nível de ocupação

A proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa, chamado de nível de ocupação, ficou em 53,6%. Aumentou em relação a setembro, quando atingiu 53,2%

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Suiça adota o "bolivarianismo" e faz plebiscito até sobre gestão no Banco Central.

http://www.swissinfo.ch/por/su%C3%AD%C3%A7os-votam-sobre-reservas-de-ouro-/41069696
Os reacionários brazucas vão ter um troço.

Onde já se viu o povão decidir em plebiscito como o Banco Central deve manter as reservas?

E a "meritocracia dos banqueiros"? E as tais "decisões técnicas" dos "sábios" do mercado? O que o Itaú tem a dizer em nome da Marina Silva sobre o Banco Central Independente? E Armínio Fraga em nome do Aécio?

E, horror dos horrores, isto não ocorre na Venezuela, nem no Equador, nem na Bolívia. É na Suíça!

Aqui no Brasil os reacionários demotucanos não querem plebiscito nem para povo decidir com quais regras querem escolher seus governantes e legisladores. Aí aparece a Suíça permitindo ao povão fazer ingerência até no gestão das reservas do Banco Central!

Afinal a Suíça aderiu ao Foro de São Paulo com a "ingerência política" no Banco Central? E ainda mais com participação popular na forma de plebiscito? Que coisa mais "bolivariana"!

Que conselhos a Miriam Leitão, o Sardenbeng, o Olavo de Carvalho e o Lobão podem dar aos mais endinheirados daqui que tem contas secretas por lá, muitas fruto da corrupção, sonegação e lavagem de dinheiro?

A Empiricus vai fazer um vídeo "O fim do mundo começou em Genebra!"?

E uma eleitora grã-fina do Aécio que andou falando que iria morar na Suíça com a vitória de Dilma? Para onde ir agora?

A notícia vem do Swissinfo.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Por que Dilma está confiante se parte da oposição quer derrubá-la?



Na entrevista coletiva que a presidenta Dilma Rousseff concedeu na Austrália, durante a reunião dos países do G-20, no domingo (16), ela apareceu confiante, desapontando setores que apostam todas as fichas em crise política decorrente da Operação Lava Jato.
Ao contrário da sanha golpista de alguns quadros da oposição e do jornalismo oposicionista com tradição em apoiar golpe, Dilma tem um histórico de combate e enfrentamento a cartéis. Bem diferente dos governos do PSDB e DEM, tanto quando estiveram no Planalto, como dos governadores que ainda estão no poder...Continue lendo aqui

Venda de veículos em novembro está acima da média de outubro


A média das vendas de veículos novos no Brasil em novembro está acima da registrada no mês passado, afirmou nesta segunda-feira o presidente da entidade que representa as montadoras do país, Anfavea.

"A média de vendas da primeira quinzena está muito acima das 13 mil unidades por dia que lutamos para conseguir em outubro", disse o presidente da Anfavea, Luiz Moan, durante evento sobre o setor promovido pela revista Quatro Rodas.

Segundo Moan, se o ritmo de vendas do segundo semestre se mantiver, o setor terá um "2015 bastante positivo, com retomada do crescimento". Ele não pôde precisar detalhes sobre o movimento de vendas da primeira quinzena de novembro.

Ele comentou ainda que a Anfavea está tentando um acordo de comércio com o México envolvendo veículos pesados. A expectativa é que uma proposta do setor privado aos governos de Brasil e México possa ser apresentada até o final do próximo ano.

No segmento de veículos leves, o acordo atual do país com o México, que estabelece cotas para a comercialização de veículos sem incidência de impostos, vence em 20 de março.

Moan esteve no México na semana passada discutindo o acordo para veículos pesados e os termos para renovação do acordo sobre leves. Segundo ele, a proposta da Anfavea envolve o livre comércio de veículos leves após 20 de março.- Reutrs